COP26: Gates e Bezos farão investimentos em tecnologias verdes

Bilionários anunciaram investimentos em iniciativas de mitigação dos efeitos das mudanças climáticas e para redução do custo de tecnologias verdes

Author Photo
1:14 pm - 03 de novembro de 2021
Shutter Stock

Iniciada no último domingo (31), a Conferência do Clima da ONU (COP26), que acontece em Glasgow, na Escócia, contou com anúncios de investimentos de iniciativas verdes de dois grandes nomes na indústria da tecnologia: Jeff Bezos e Bill Gates.

Em um discurso durante a COP26, Jeff Bezos, bilionário fundador da Amazon, revelou que investirá US$ 2 bilhões em um fundo de iniciativas para preservação da natureza e para a transformação de cadeias de alimentos.

Em sua fala, Bezos alertou que o setor privado tem um papel “central” na campanha de mitigação dos efeitos das mudanças climáticas. O executivo, que deixou o cargo de CEO da Amazon em julho, reforçou as metas da companhia de se tornar neutra em carbono até 2040.

Leia mais: TIC responde por até 4% das emissões globais de CO2

Ainda segundo Bezos, 2021 pode ser considerado um ano “crítico” para a proteção do meio ambiente. “A cada ano, florestas absorvem 11 bilhões de toneladas de CO2 da atmosfera. À medida que destruímos a natureza, invertemos esse processo. Em muitas partes do mundo, a natureza já está mudando de um reservatório de carbono para uma fonte de carbono. Este é um perigo profundo para todos nós”, disse.

Os novos investimentos de US$ 2 bilhões serão parte do Bezos Earth Fund, fundo que compreende uma série de iniciativas para mitigar os efeitos das mudanças climáticas. Em setembro, o Bezos Earth Fund já havia prometido uma doação de US$ 1 bilhão na conservação do meio ambiente.

Também na terça (02), Bill Gates, bilionário e cofundador da Microsoft, anunciou que investirá US$ 315 milhões, através da Bill and Melinda Gates Foundation, em pesquisas de agricultura voltadas para combater problemas causados pelas mudanças climáticas.

Os fundos prometidos por Gates irão para o Consultative Group on International Agricultural Research (CGIAR), focado em pesquisas na área de agricultura. Com o valor posto pelo executivo, a organização terá mais de US$ 1 bilhão para suas pesquisas.

Leia também: Tecnologia pode reduzir emissões por empresas em até 35%

Gates também ressaltou a Catalyst, programa que é parte da iniciativa Breakthrough Energy Ventures, que tem o objetivo de reduzir o custo de tecnologias de descarbonização para acelerar sua adoção global. O programa reúne participantes do setor público e privado.

“Juntos, devemos construir uma revolução industrial verde – que interrompa as mudanças climáticas, proteja as comunidades vulneráveis ​​e coloque o mundo no caminho do progresso”, afirmou Gates em seu discurso na COP26. Segundo o empresário, a Catalyst já garantiu US$ 1,5 bilhão de seus parceiros privados para investir em novas tecnologias, e espera “alavancar mais de 10 vezes” esse valor junto ao financiamento público e privado total.

Apesar dos anúncios, Gates ressaltou, nesta quarta-feira (03), sua opinião pessimista em relação ao Acordo de Paris, que visa limitar o aquecimento global a 1,5°C. Em entrevista ao Policy Exchange, o executivo afirmou que custos das “tecnologias verdes” são muito altos para os países em desenvolvimento, o que deve prejudicar o objetivo.

“Não há feito que a humanidade já tenha alcançado que seja comparável com o que precisamos fazer para [limitar] as mudanças climáticas”, afirmou. Para ele, países ricos precisam investir para diminuir o custo destas tecnologias “drasticamente”, permitindo o cumprimento da meta.

Com informações de Valor Econômico e The New York Times

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.