Demanda por profissionais de TI continua alta, mesmo em meio às demissões

Mesmo com dezenas de milhares de trabalhadores efetados por onda mundial de demissões, os profissionais de TI ainda estão em demanda

Author Photo
10:00 am - 16 de dezembro de 2022
Imagem: Reprodução/Shutter Stock

Mesmo com as demissões de alto nível no setor de tecnologia, a demanda por profissionais de TI experientes continua alta, de acordo com um novo relatório da Janco Associates, consultoria de emprego de TI.

Mais de 100.000 empregos para profissionais de TI experientes permanecem vagos nos EUA, de acordo com o relatório da Janco. Essas funções incluem codificadores, especialistas em design de aplicativos, especialistas em segurança e conformidade e engenheiros de blockchain/e-commence em todos os níveis.

janco-jobs-graphic-1-2-100934753-orig

No entanto, o relatório da Janco observou que o número total de empregos não preenchidos para profissionais de TI nos últimos seis meses caiu de mais de 250.000 para 200.000.

Ao mesmo tempo, cerca de 100.000 vagas são preenchidas a cada mês, com 12.000 a 14.000 dessas vagas sendo recém-criadas, de acordo com a Janco. Nos últimos 3 meses, foram criados mais de 37.000 novos empregos nesse setor do mercado de trabalho.

jancos-jobs-graphic-2-2-100934754-orig

“Não está claro no momento quantos dos cargos eliminados nas grandes empresas de alta tecnologia serão classificados como empregos perdidos pelo Bureau of Labor Statistics dos EUA”, afirmou o relatório da Janco. “No entanto, mesmo que todos sejam, ainda haverá uma escassez de profissionais de TI experientes”.

Então, como Janco explica todas essas demissões em empresas de tecnologia?

Trabalhadores de “baixa produtividade” considerados dispensáveis

“Muitos dos ‘profissionais de TI’ dispensados pelo Twitter, Amazon, Facebook e outras grandes empresas de tecnologia não eram profissionais de TI experientes. Eles eram, por falta de uma descrição melhor, trabalhadores administrativos ‘overhead’ ou de baixa produtividade”, afirmou o relatório da Janco. “A maioria terá dificuldade em encontrar emprego, assim como os profissionais de TI que foram demitidos na crise das pontocom”.

Jack Gold, fundador e Principal Analista da J. Gold Associates, discordou da avaliação da Janco, dizendo que é improvável que as empresas que demitiram milhares de funcionários estivessem se livrando de trabalhadores essencialmente improdutivos.

“É muito difícil para mim acreditar que 50% da força de trabalho do Twitter era madeira morta”, disse Gold. “Como todas as empresas, provavelmente havia algumas, mas minha suspeita é que elas nem estavam tentando excluir esses trabalhadores. Quando você tem demissões em massa, em vez de apenas dizer a seus gerentes para se livrarem dos 5% a 10% de trabalhadores abaixo do padrão, é muito provável que você jogue fora o bom com o ruim”.

Provavelmente é verdade que a maioria dos trabalhadores dispensados não eram funcionários tradicionais de TI como aqueles que você normalmente encontra trabalhando em uma empresa, disse Gold. Muitos eram, provavelmente, programadores com uma especialidade. Outros provavelmente se especializaram em certos aspectos da administração de um negócio como Twitter, Facebook, Amazon e outros, e por isso podem precisar de algum retreinamento para se encaixar em uma função tradicional de TI.

“Mas isso não quer dizer que eles não sejam qualificados. Muito provavelmente, com um pouco de treinamento, eles ficariam bem”, disse Gold, referindo-se às suas perspectivas de emprego futuro.

As demissões da indústria de tecnologia continuarão

O foco em muitas organizações de TI que aguardam uma possível recessão será eliminar as camadas de gerenciamento e aumentar a amplitude de controle para supervisores e gerentes, ao mesmo tempo em que expandem as posições de engenharia e codificação, disse Janco. Essa avaliação está alinhada com a de Tony Lysak, CEO do The Software Institute.

Nos últimos dois anos, a escassez de talentos em tecnologia devido aos esforços contínuos de digitalização e a Grande Demissão fizeram com que as empresas lutassem para trazer a bordo o maior número possível de trabalhadores de tecnologia experientes. Mas esses trabalhadores eram tipicamente experientes em uma tecnologia específica, deixando as organizações sobrecarregadas com trabalhadores de nível médio, em comparação com funcionários menos experientes que podem ser aprimorados ao longo do tempo para criar uma força de trabalho mais sustentável.

“É assim que você obtém esse meio altamente inchado – 60% a 80% de sua força de trabalho de tecnologia é composta por engenheiros altamente pagos…, em vez de ter uma força de trabalho mais equilibrada, onde 30% a 40% dos trabalhadores têm essa experiência”, disse Lysak.

Por causa desse inchaço, espera-se que as demissões continuem em 2023.

A empresa de serviços digitais West Monroe recentemente entrevistou cerca de 500 executivos de nível C e sênior dos EUA sobre suas previsões para o próximo ano. Cerca de quatro em cada 10 entrevistados (41%), de uma variedade de indústrias, disseram que estão em processo de demissões, já fizeram demissões ou estão considerando demissões nos próximos seis meses.

A pesquisa também descobriu que:

  • Mais de 50% dos entrevistados do setor de tecnologia disseram que estão considerando demissões ou realizaram demissões.
  • 64% dos entrevistados disseram que o impacto no moral dos funcionários foi o maior desafio ao considerar as demissões.
  • Quase 60% dos entrevistados de empresas de alta tecnologia disseram que atingir as metas de vendas e crescimento é o maior desafio que seus negócios enfrentarão no próximo ano.

Profissionais de TI experientes ainda em demanda

Mesmo com as demissões continuando, o desemprego no setor de tecnologia permaneceu em níveis quase históricos, oscilando em torno de 2,2%. Isso se compara com a taxa geral de desemprego nos EUA de 3,7% em outubro.

Até agora, neste ano, o emprego no setor de tecnologia aumentou em 193.900 empregos, 28% a mais que no mesmo período de 2021, de acordo com um relatório de empregos da CompTIA, uma associação sem fins lucrativos para o setor de TI e força de trabalho.

“A atividade de contratação de tecnologia permanece estável, mas sem dúvida há preocupações de uma economia em desaceleração”, disse Tim Herbert, CEO da CompTIA, em comunicado.

Embora não se espere que os dados de emprego de novembro sejam tão robustos quanto no mesmo período do ano anterior (quando foram adicionados 73.600 empregos), a projeção geral é de que permanecerá em um nível de status quo, com a contratação continuando no mesmo ritmo dos últimos dois trimestres.

“Em geral, profissionais de TI experientes estarão em alta demanda”, disse Janco. “Especialmente aqueles que apresentam uma forte ética de trabalho e são orientados para resultados. Os cargos que estarão em baixa demanda serão supervisores e gerentes administrativos”.

Gold concordou, observando que a escassez de trabalhadores de tecnologia no momento – apesar das demissões acontecendo em grandes empresas – garantirá que a maioria, se não todos, seja recontratada.

“Agora, se as demissões continuarem e/ou entrarmos em recessão, todas as apostas serão canceladas”, acrescentou. “Nesse ponto, não é uma questão de habilidades, mas apenas um enorme excesso de oferta de trabalhadores”.

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.