7 sites que fortalecem o empoderamento feminino

Conheça plataformas que promovem igualdade, saúde mental, oportunidades profissionais, empreendedorismo feminino e lazer

Author Photo
4:40 pm - 08 de março de 2024
empoderamento feminino, mulheres, sites para mulheres

A população feminina no Brasil registrou um aumento de 7,4% entre 2010 e 2022, alcançando mais de 51,5% do total de habitantes, de acordo com dados do Censo Demográfico de 2022 divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No entanto, apesar desse crescimento demográfico, as mulheres continuam a enfrentar desafios significativos no mercado de trabalho, especialmente em termos de representatividade nos cargos de liderança. Segundo a última pesquisa da consultoria Grant Thornton, apenas 38% dos cargos de liderança no país são ocupados por mulheres. 

Essa disparidade se torna ainda mais evidente quando direcionamos o olhar para o setor da tecnologia. De acordo com um levantamento da Serasa Experian, menos de 1% das mulheres estão empregadas em posições relacionadas à tecnologia no Brasil.  

Leia mais: 9 mulheres relatam suas trajetórias e inspiram futuras líderes na TI 

Por isso, embora progressos significativos tenham sido feitos em direção à igualdade de gênero, as mulheres ainda enfrentam desafios consideráveis todos os dias do ano. A seguir, veja 7 sites que toda mulher precisa conhecer, desde espaços de informação e apoio até plataformas que promovem a liderança feminina e o lazer.  

  1. Ipefem: para interromper processos de violência sócio-emocional em ambientes familiares e  profissionais

A saúde feminina é uma prioridade, e o Ipefem é um recurso valioso nesse sentido. Este site oferece informações abrangentes sobre saúde mental, violência sociemocional no trabalho e bem-estar, com artigos escritos por profissionais qualificados. Além disso, o Ipefem promove a conscientização sobre questões de saúde específicas das mulheres, bem como treinamentos de lideranças e empreendedorismo, capacitando-as para o mercado de trabalho e a cuidarem melhor de si mesmas.   

No último ano, o Ministério da Previdência Social registrou que o afastamento por motivos relacionados à saúde mental subiu 38%, destacando a necessidade urgente de uma abordagem mais robusta para o bem-estar no local de trabalho. “É crucial que as organizações reconheçam a importância da saúde mental e ataquem os ofensores: altíssima demanda, ambiente tóxico e recompensas desequilibradas, além de dar suporte adequado aos seus profissionais” enfatiza Ana, psicanalista e Presidente do Ipefem (Instituto de Pesquisa de Estudos do Feminino e das Existências Múltiplas).

A especialista acrescenta que só será possível reverter esses números se houver uma educação começando pelos líderes, para que a empresa reveja seus processos e se adapte. “Se o topo da hierarquia abordar essas questões de frente, as empresas não apenas melhoram o bem-estar de seus times, mas também fortalecem a resiliência e a produtividade da equipe. Pessoas doentes refletem um ambiente doente” declara Ana. 

2. Plure: para conectar empresas a mulheres plurais 

Plure é uma HRtech de recursos humanos especialista em conectar empresas a mulheres plurais. A startup já impactou mais de 50 grandes companhias – incluindo players como Heineken, Samarco, Volvo, Ambev e PAM Saint-Gobain – oferecendo soluções em Recrutamento e Seleção que conecta o RH a mulheres negras, PcD, LGBTI+, +50, mães e mais, aumentando a diversidade nas empresas.  

A plataforma da Plure é a única no mercado de contratação que conta com uma comunidade com mais de 250 mil mulheres. O objetivo da HRtech é levar Diversidade & Inclusão como estratégia de negócio para mais empresas, além de empregar meio milhão de mulheres até 2030.

Com cerca de 7,5 milhões de mulheres desempregadas no país, conforme revelado por um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 2022, a relevância dessa startup é inegável. Fundada por Jhenyffer Coutinho, a HRTech  não apenas encoraja as mulheres a se candidatarem às vagas que desejam, mas também desenvolve e implementa projetos e ações afirmativas nas empresas, visando atrair e contratar mais funcionárias. 

 3. Partiu Viajar: para as mulheres viajarem sozinhas e em segurança 

O site Partiu Viajar é dedicado a inspirar e facilitar as viagens. Ao longo dos anos, a empresa já orquestrou mais de 17 mil viagens, oferecendo roteiros bem estruturados, destinos seguros e experiências extraordinárias, especialmente para mulheres que se aventuram sozinhas. Com uma reputação estelar no TripAdvisor, a agência é reconhecida como um porto seguro para mulheres viajantes por oferecer experiências e ser uma plataforma que impulsiona as mulheres a conquistarem sua independência. 

“Nosso compromisso é proporcionar não apenas viagens, mas experiências que transformam vidas. Para mulheres que desejam viajar sozinhas, oferecemos não apenas segurança, mas também uma comunidade acolhedora. Estamos aqui para inspirar e capacitar cada mulher a explorar o mundo sem medo” comenta a CEO da Partiu Viajar Cyntia Reis. 

 4. Genial Care: para se informar sobre TEA, maternidade atípica e orientação parental 

Genial Care é uma rede de cuidados de saúde atípica na América Latina, especializada no tratamento de crianças com TEA e no apoio às suas famílias. Sua abordagem integrativa reconhece os desafios da maternidade atípica e enfatiza a orientação parental, oferecendo não apenas tratamento médico, mas também suporte emocional, grupos de apoio e recursos educacionais.    

Um estudo produzido pela própria Genial Care mostra que 86% dos cuidadores responsáveis por crianças com autismo são mães. Pensando nisso, a empresa visa não apenas auxiliar as crianças com TEA a alcançar seu potencial máximo, mas também capacitar as mães a se tornarem defensoras eficazes de seus filhos. 

5. Mapa do Acolhimento: para apoiar vítimas de violência

Mapa do Acolhimento é uma rede que oferece apoio vital para vítimas de violência doméstica, contando com psicólogas e advogadas em todo o país. Diante do alarmante número de denúncias e violações registradas no Brasil durante os primeiros 10 meses de 2023, 74 mil denúncias, essa iniciativa se destaca como uma fonte de esperança e assistência para mulheres que enfrentam o ciclo de violência em seus lares.  

6. Rede Mulher empreendedora: para aquelas que desejam ser mulheres de negócios  

De acordo com um estudo conduzido pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) em 2022, o Brasil conta com 10,1 milhões de mulheres liderando seus próprios negócios, representando cerca de 34% do mercado empreendedor.

Com o intuito de impulsionar ainda mais esses números e fortalecer o protagonismo feminino no empreendedorismo, a Rede Mulher Empreendedora (RME) desempenha um papel fundamental. A RME não só incentiva mulheres a abraçarem o desafio de empreender, mas também oferece suporte e recursos essenciais para ajudá-las a se destacarem no mercado de trabalho. 

7. Portal Geledés: para se informar sobre gênero e raça 

De acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), no Brasil, somente 12,8% das mulheres negras têm acesso ao ensino superior, um número que representa menos da metade da taxa de mulheres brancas, sendo de 26,5%. Diante dessa disparidade alarmante, o trabalho realizado pelo Portal Geledés ganha uma relevância ainda maior.  

O site é um portal do Geledés Instituto da Mulher Negra, uma respeitada organização da sociedade civil fundada em 1988, que se posiciona firmemente contra o racismo e o sexismo. Dentro de suas páginas virtuais, os visitantes têm acesso a uma ampla gama de materiais que abordam questões de gênero, raça e diáspora africana, incluindo notícias e artigos exclusivos.

Siga o IT Forum no LinkedIn e fique por dentro de todas as notícias! 

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.