Por que a Apple está construindo duas plataformas diferentes de óculos inteligentes?

O primeiro computador de rosto da Apple provavelmente não será para você – será para os desenvolvedores

Author Photo
5:00 pm - 02 de setembro de 2022
óculos apple

Uma revolução está chegando. E até o público em geral entende que tem algo a ver com fones de ouvido, goggles ou óculos.

Mas qual é a realidade da próxima revolução, exatamente? Realidade virtual (VR), realidade aumentada (AR), realidade estendida (ER), realidade mista (XR)?

O CEO da Meta, Mark Zuckerberg, mudou o nome de sua empresa de “Facebook” para “Meta”, então milagrosamente convenceu a mídia a se referir a todas essas realidades como “o metaverso”. Esse milagre de marketing também levou muitos a ver Zuckerberg como o líder – ou, pelo menos, o líder da ideia – dessa nova tendência.

É por isso que as pessoas ficaram chocadas (e Zuckerberg zombou) quando Zuck compartilhou uma selfie de Horizon Worlds, o jogo de realidade virtual da Meta, como parte de sua estreia na Europa; em vez de parecer o futuro, parecia a década de 1990. Mais tarde, ele explicou no Instagram que os gráficos eram “bastante básicos”, (…) “tirados muito rapidamente para comemorar um lançamento”.

Enquanto Zuckerberg diz que VR é o futuro, a Apple diz que AR é o futuro.

Confundindo ainda mais as coisas, a Apple – a grande mainstream das principais plataformas de hardware – deve lançar no próximo ano um produto de RV para ser usado por AR.

O que é revolucionário (e o que não é)

Há tanto FUD [sigla para Fear, Uncertainty and Doubt, ou seja, Medo, Incerteza e Dúvida], confusão de ideia e hype em torno do chamado “metaverso” que é importante parar e entender o que está acontecendo agora e o que provavelmente acontecerá no futuro.

  1. Não há metaverso, nem nunca haverá. Um “metaverso” é uma versão compartilhada, aberta, de realidade virtual e aumentada da Internet. Os dias em que indústrias, empresas de tecnologia e governos podiam se reunir e concordar em uma única plataforma já se foram.
  2. Os dispositivos básicos do usuário final para experiências de realidade virtual e aumentada podem ser divididos em três categorias: 1) óculos de realidade virtual volumosos somente para ambientes internos; 2) óculos de realidade aumentada volumosos apenas para ambientes internos; e 3) o dia todo, óculos de realidade aumentada do dia a dia que parecem óculos comuns.
    Dessas três categorias amplas, as duas primeiras oferecerão experiências emocionantes e de alta qualidade, mas sempre serão produtos relativamente de nicho usados para todos os tipos de coisas, mas semelhantes como categoria de produto a consoles de videogame ou drones – populares, mas não central na vida da maioria das pessoas.
  3. A terceira categoria – óculos AR que podem ser usados o dia todo e em todas as situações sociais – provavelmente substituirá os smartphones como o dispositivo central para todos. Esse tipo de dispositivo dará início a uma revolução na cultura humana e transformará a forma como vivemos, trabalhamos e pensamos. Acho razoável prever que os óculos AR serão mais importantes, mais centrais para nosso trabalho e nossas vidas, do que os smartphones dentro de 10 anos.
  4. Aqui está o que sabemos sobre os planos da Apple com base em relatórios de origem, patentes, vazamentos e no exame do código lançado.

A Apple tem centenas de funcionários construindo ativamente duas plataformas de hardware separadas que executarão um sistema operacional da Apple chamado realityOS. O primeiro é um fone de ouvido; o segundo é óculos.

O fone de ouvido deve ser lançado no próximo ano e é essencialmente um hardware de VR para ser usado principalmente para AR, embora também suporte VR. O que isso significa para o AR é que uma câmera capturará a visão do ambiente físico do usuário, que aparecerá para o usuário em tempo real e será aumentada com informações visuais e de áudio.

O hardware será tão poderoso quanto um PC (e tão caro – US$ 2.000, pelo menos) e terá dois monitores 8K, um para cada globo ocular. Os óculos serão embalados com sensores para mapear o espaço 3D e monitorar a identidade, o olhar e outros fatores do usuário. O áudio espacial ajudará a criar a ilusão de que existem objetos virtuais no espaço físico.

Os óculos, que se parecerão com os óculos comuns e suportarão lentes graduadas, podem ser lançados em 2025. Sabemos pouco sobre a configuração final do produto de óculos, e a Apple provavelmente ainda não definiu as especificações finais.

Desses dois – o fone de ouvido e os óculos – são os óculos que provavelmente serão a revolução que desbanca os smartphones como a plataforma central de mudança de cultura.

Duas plataformas?

Com base nos comentários do CEO da Apple, Tim Cook (mais recentemente em junho), a empresa acredita que a AR é o futuro da Apple.

Então, por que duas plataformas? Por que os óculos de realidade virtual? Por que a Apple não espera até que os óculos estejam prontos? Nas palavras do ex-CEO da Microsoft, Steve Ballmer: “Desenvolvedores, desenvolvedores, desenvolvedores, desenvolvedores”.

É provável que a primeira oferta de fone de ouvido da Apple funcione principalmente como uma espécie de prova de conceito ou design de referência para os óculos revolucionários que estão por vir. Eles provavelmente competirão em um mercado lotado apenas para uso interno e de curto prazo – dispositivos com hardware pesado que realmente fornecerão experiências alucinantes, mas serão muito volumosos, nerds e limitados para negócios em geral ou uso do consumidor.

Mas eles darão aos desenvolvedores um motivo para continuar com o ARkit ou adotar o ARkit pela primeira vez. Eles permitirão que desenvolvedores corporativos criem aplicativos personalizados. Eles incentivarão os nichos de mercado a usar o realityOS para marketing de eventos e marketing experimental. Eles mostrarão ao mundo o que a Apple está planejando e tornarão o mundo seguro para os próximos Apple Glasses, que podem se tornar massivamente populares e ainda se tornar a plataforma que substitui os smartphones.

Indo mais longe, prevejo que a Apple chamará esse fone de ouvido de “Apple Reality”.

Pelo menos esse pode ser o plano da Apple. O melhor cenário para a Apple seria lançar seus óculos AR em três anos e, no dia do lançamento, ter milhares de aplicativos atraentes para serem executados neles.

Aplicativos realmente atraentes precisam de muito tempo para serem desenvolvidos. E as empresas precisam de anos para testes, desenvolvimento, treinamento e integração. O fone de ouvido “Reality” da Apple dará a eles o tempo que precisam.

Será que vai dar certo? Quem sabe. A Apple tem um ótimo histórico. Mas vai depender do que a Apple realmente desenvolver e do que a concorrência fizer. E haverá competição.

A Apple tem uma chance de dominar a terceira grande revolução de mudança cultural (as outras duas são PCs e smartphones). Mas, tendo a Apple sucesso ou não, é quase certo que os óculos AR são a terceira grande revolução.

Por que os óculos inteligentes vão mudar o mundo

Óculos inteligentes que você pode usar em todos os lugares o dia todo, como óculos comuns, permitirão o que alguns chamam de “sociedade aumentada”. Por exemplo, quando você está em uma página da Web ou lendo um e-book ou visualizando um documento em seu laptop, cada elemento que você vê é uma porta de entrada para informações relevantes. Elas podem ser copiadas, coladas, compartilhadas, capturadas, indexadas, duplicadas, salvas e pesquisadas.

Conteúdo impresso? Não muito. Ele apenas fica lá, desconectado.

Pesquisadores da Universidade de Surrey revelaram uma nova versão de seu projeto Next Generation Paper (NGP). Com papel condutor de baixo custo, os livros físicos em papel podem oferecer conteúdo aumentado com um simples gesto, como deslizar o papel. As informações contextuais aparecem em um dispositivo próximo.

Essa ideia será varrida por óculos AR avançados, que serão capazes de reconhecer texto e oferecer qualquer tipo de informação contextual com gestos manuais – sem necessidade de papel especial, smartphone ou tablet. As informações contextuais passarão sobre o livro.

Câmeras e outros sensores, além de IA, permitirão que nossos óculos reconheçam livros, bem como placas, pontos de referência, objetos, pessoas e muito mais. Os QR codes dirão aos óculos onde colocar imagens e informações virtuais.

A grande mudança efetuada pela AR é que todas as coisas, não apenas as coisas digitais, podem adquirir atributos digitais.

O conhecimento sobre as coisas parecerá cada vez mais residir nas próprias coisas, não nas mentes humanas ou em uma internet que você “acesse”. O mundo se tornará a internet e a internet se tornará o mundo.

Embora seja tentador se perguntar como os óculos inteligentes permitirão os tipos de coisas que fazemos em smartphones, é importante lembrar que os smartphones permitiram comportamentos que não costumávamos fazer – como postar fotos nas mídias sociais. Os óculos inteligentes transformarão o mundo inteiro em nossos próprios computadores pessoais aprimorados por IA e também inaugurarão comportamentos e habilidades que ainda não podemos imaginar.

A Apple não pode se dar ao luxo de ficar em segundo lugar na próxima tecnologia de mudança de cultura. E então acredito que está construindo duas plataformas: uma para os desenvolvedores, outra para a revolução.

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.