Bancos brasileiros são destaque na abertura do FICO World 2023

Primeira palestra do evento também explorou as principais tendências de tecnologia na visão da companhia

Author Photo
2:39 pm - 17 de maio de 2023
Painel Abertura Fico World 2023

A importância do Brasil para a Fico fica evidente na abertura do FICO World 2023, em Miami. O primeiro painel do dia contou com a presença de Fábio Chehab, diretor financeiro de planejamento Estratégico e Desenvolvimento de Negócios do Bradesco, e Gustavo Burin, superintendente de crédito do Itaú Unibanco.

“A palavra da moda, agora, é foco no cliente. E eu amo isso. Quando fui comprar minha passagem para vir para cá, coloquei meu cartão de crédito e ele foi recusado. Eu fiquei chocado, mas, segundos antes, eu recebi uma mensagem no WhatsApp para saber se estava tudo bem e se a transação realmente era a minha. Eu respondi e tive a compra aprovada. Para mim, a tecnologia deve ser assim. Em cinco segundo, eu senti alívio e conforto. Em crédito, temos mais de 200 milhões de empréstimos em carteira. Então, como podemos conduzir a mesma experiência dando a melhor decisão para nossos clientes em momentos difíceis?”, exemplificou Gustavo.

Fábio também deu a sua visão sobre as estratégias de tecnologia e do que seria discutido nos três dias de evento. Segundo ele, nos últimos anos o Bradesco mostrou como se desenvolveu nas experiências do cliente, o que foi necessário para testar as tecnologias que ajudariam os clientes a reestruturar suas dívidas.

“E acho que, nos últimos 12 meses, o que fizemos foi o mesmo para as empresas. Iniciamos mais uma abertura de novas jornadas de crédito para empresas. Desenvolvemos muitos algoritmos de preço com a plataforma Fico e, esperamos que, até o final deste ano, tenhamos 1% de nossa receita a ser decidida por uma plataforma Fico em termos de preço. Também preciso acrescentar que acabamos de assinar um novo contrato. E estamos ampliando o escopo para as vias privadas, mas para combate à lavagem de dinheiro e eleições, antifraude, movendo essa estrutura para a nuvem”, confidencializa.

Leia mais: Com Einstein GPT, Salesforce ingressa ‘no ritmo certo’ na IA generativa

Tendências na visão da FICO

Stephanie Covert, vice-presidente executiva de software da FICO, também esteve presente no evento para falar sobre as principais tendências de tecnologia. Ela citou cinco delas, que se misturam para oferecer mais inovação e melhor experiência do cliente:

Transformação Digital

Segundo a executiva, 97% dos líderes estão adotando uma abordagem de plataforma como serviço. Entretanto, 51% afirmam agregar valor a partir dos milhões de dólares gastos tentando otimizar as experiências dos clientes por meio da transformação.

“No entanto, menos de um terço desse investimento mostrou algum sucesso em impulsionar a experiência do cliente. Por que vocês acham que isso acontece? Vamos olhar para a próxima tendência para entender um pouco melhor”, provoca Stephanie.

Capacidade de Composição de Negócios

Ao focar na capacidade de composição de negócios, afirma Stephanie, é possível tornar os componentes intercambiáveis, como blocos de construção que permitem que as organizações criem rapidamente novas soluções.

“Isso permite que a companhia reaja às mudanças nas necessidades de seus clientes e às necessidades de mudanças dos negócios. A composição é tão importante que uma organização que sabe usá-la pode ultrapassar a sua concorrência em 80% na rapidez para implementar novos produtos e recursos”, frisa Stephanie.

A promessa da cloud

Stephanie pondera que todo o público conheça os benefícios da nuvem, como ser mais rápida e ter menor custo. “Se antes, o nosso trabalho era garantir que nossa tecnologia permanecesse funcionando, hoje não preciso mais me preocupar com isso ou com atualizações. Elas acontecem em segundo plano. Agora, meu trabalho é pensar em maneiras de agregar valor ao negócio.”

Inteligência Artificial e Machine Learning

A IA e o Machine Learning são os impulsionadores para mitigar ou diminuir as falhas em projetos analíticos. Cada vez mais, é importante trazer os dados certos no momento certo para tomar a decisão certa.

Portanto, isso nos leva à nossa quarta tendência, IA corporativa, aprendizado de máquina e operacionalização de análises. Se você ler a pesquisa e todas as razões pelas quais os projetos analíticos falham, há realmente três que emergem para falar. Trata-se também de gerenciar modelos de monitoramento e refinamento, para que permaneçam relevantes e úteis.

Hyperpersonalização

“Como você pode mostrar aos seus clientes que se importa? Como você garante que as decisões e ofertas sejam as corretas? Falamos tempo todo sobre decisões em tempo real, mas não deveríamos falar apenas de velocidade. Precisamos entender qual o contexto da decisão”, provoca Stephanie.

Autores marcam presença no FICO World

“O segredo é focar primeiro em volume e não em qualidade”. Essa foi uma das provocações trazidas por Jeremy Utley, coautor do livro “Ideaflow: The Only Business Metric That Matters”. Ele faz uma analogia com um trabalho de fotografia: ao tirar 100 fotos, nem todas estarão boas, mas algumas serão ótimas. Então, ao invés de buscar tirar uma foto realmente ótima, é preciso se concentrar em gerar mais. Assim como gerar mais ideias ao invés de apenas uma ideia genial.

“Para obter um resultado comercialmente viável no final de um funil de inovação, você precisa começar com 2.000 ideias. A maioria das pessoas pensa, por exemplo, que em 2030 terá uma boa ideia. Mas nós precisamos de muito mais ideias do que imaginamos. E antes de começar a questionar as fontes dos dados, isso é algo que vale para todas as categorias”, diz ele.

Muitos de nós, afirma Jeremy, fomos treinados em instituições que diziam que a qualidade é oque importa. Então, como mudar isso? Paradoxalmente, a maneira de gerar as ideias geniais é, na verdade, permitir-se ter ideias ruins. A maneira de chegar à qualidade é permitir-se ter o ruim nas mãos.

Kevin Brown, autor do livro The Hero Effect, convidou o público a pensar o que seria a figura de um herói. “Muitas pessoas pensam nos transformadores do mundo… mães, pais, professores, treinadores, socorristas. Se você aceitar essa definição, primeiro terá que admitir que é comum. E eu não acho que haja alguém nesta sala que tenha sido colocado aqui por ser comum.”

Para ele, todos os presentes podem ser considerados heróis. “Cada cliente, cada ser humano que entra em sua vida, eles precisam de algo que torne sua vida melhor. Eles precisam de algo para fazer seus sonhos acontecerem. Eles precisam de algo para remover o estresse. E resolver um problema. Para mostrar que sua parceria com eles é importante, abra caminho para tornar a experiência do seu cliente inesquecível.”

*a jornalista viajou a convite da Fico

Siga o IT Forum no LinkedIn e fique por dentro de todas as notícias!

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.