Para tirarmos proveito máximo da IA generativa, algo precisa mudar

A IA generativa pode mudar a forma como usamos computadores e acessamos informações, mas também pode nos forçar a redesenhar escritórios e até aviões

Author Photo
2:30 pm - 27 de fevereiro de 2023
Imagem: Shutterstock

Aplicações de IA generativa, como o ChatGPT, estão na moda atualmente, e é incrível como essa plataforma já é boa, apesar de ainda estar em sua infância. A velocidade com que está se espalhando é sem precedentes e excede em muito a velocidade dos avanços tecnológicos anteriores. Espero que substitua (talvez completamente) a interface gráfica do usuário (GUI) – que, por sua vez, já havia substituído em grande parte a interface de linha de comando. As linhas de comando, antes disso, já tinham substituído os cartões de computação para entrada de dados e programação.

Os pesquisadores já adiantaram a data da Singularidade dos anos 2040 ou 2050 para cerca de 2030. E mesmo essa previsão já pode ser muito conservadora, visto que a IA generativa parece estar se tornando vertical tanto na demanda quanto na adoção.

Quase certamente ela mudará ferramentas de produtividade como o Microsoft Office [*a Microsoft é cliente do autor], softwares de videoconferência, ferramentas de programação e até mesmo como você interage com dispositivos inteligentes, como carros e telefones autônomos.

E também significa que precisamos repensar o transporte de massa e até os escritórios. Vamos explorar por que os escritórios e locais onde as pessoas trabalham precisam ser renovados, como podemos reduzir a interrupção e o agravamento e a necessidade de vincular a interface resultante de forma mais rígida a cada usuário.

Redesenho do escritório em um mundo de IA generativa

A essa altura, a IA generativa é principalmente sobre a linguagem em termos de como interagimos com ela. Esses são modelos de linguagem, o que significa que seremos capazes de falar com eles e fazer com que eles respondam a nós conforme interagimos com as pessoas. (É interessante que as pessoas geralmente compreendem a comunicação escrita mais rapidamente, mas preferem usar a voz quando é uma opção.)

Pense em produtos como o Visual Voicemail da AT&T – o correio de voz pode ser traduzido em texto, mas as pessoas ainda preferem ouvir uma mensagem em velocidade normal, embora possamos ouvi-la até três vezes mais rápido.

À medida que a tecnologia de IA generativa amadurece, nós e nossos colegas de trabalho precisaremos cada vez mais conversar com nossos computadores – e fazer com que nossos computadores respondam. Os fones de ouvido podem ajudar com o ruído, mas só agora estamos adquirindo a tecnologia de microfone que nos permitirá conversar sem incomodar outras pessoas no escritório. Infelizmente, essas tecnologias tendem a ser desconfortáveis e menos prováveis de serem usadas, a menos que as pessoas sejam forçadas a fazê-lo.

Além do escritório — mudanças no transporte público

Agora imagine o que isso significa para viagens aéreas e outras formas de transporte público. Os viajantes geralmente rejeitam a ideia de usar o telefone em aviões (mesmo que isso seja permitido em outras partes do mundo). Você consegue imaginar todos conversando – e tendo seus computadores respondendo de volta – em um longo voo sem escalas?

Quanto às configurações de escritório, o design de plano aberto e os cubículos também não funcionarão, pelo mesmo motivo. Teremos que encontrar uma maneira melhor de eliminar o som, ou todas essas pessoas falantes e computadores farão com que todos saiam do escritório e voltem para a privacidade de suas casas. Isso minaria rapidamente a atual corrida para levar as pessoas aos escritórios até que uma solução seja implementada.

Resumindo, à medida que a IA generativa ganha força, temos que pensar em todos os efeitos colaterais que ela terá e trabalhar rapidamente para resolvê-los. Precisamos avançar na tecnologia de cancelamento de ruído em uma velocidade muito mais agressiva em escala e projetar escritórios que possam eliminar o ruído ambiente. Uma opção seria usar a tecnologia de ondas sonoras reversas, que está em desenvolvimento no mercado automotivo, mas ainda não foi aplicada em escritórios. Deve ser possível diminuir o ruído ambiente em espaços lotados sem exigir o uso draconiano de fones de ouvido e microfones montados na boca.

Em suma, uma vez que a primeira onda de atenção e hype tenha passado, a IA generativa exigirá que repensemos como trabalhamos e viajamos. Caso contrário, poderíamos enfrentar novos níveis de hostilidade e raiva – assim como fiz recentemente quando conduzi uma entrevista de voz enquanto estava sentado em um avião.

Meus companheiros de viagem não acharam graça. Se vamos integrar totalmente a IA generativa em nossas vidas, esses são os tipos de aborrecimentos que precisaremos evitar no futuro.

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.