Agora a Apple apoia o ‘Direito de Reparo’. Outros também deveriam

Apple deu seu apoio a uma nova lei na Califórnia que tem como objetivo facilitar que pessoas consertem seus próprios dispositivos

Author Photo
10:00 am - 28 de agosto de 2023
iphone apple direito de reparo

Numa medida com implicações para os consumidores e para grandes bases instaladas de iPhones, iPads e/ou Macs em empresas e instituições de educação, a Apple está apoiando uma nova lei na Califórnia que tem como objetivo facilitar às pessoas consertarem seus próprios dispositivos.

Apple apoia o projeto de lei SB 244

Resumidamente, a Apple endossou oficialmente um projeto de lei de Direito de Reparo (ou “Direito de Conserto”) que está caminhando para aprovação na Califórnia. O apoio da empresa ao projeto de lei pode indicar uma mudança em sua postura em relação ao autorreparo.

Tradicionalmente, a Apple não apoiava o Direito de Reparo. No entanto, após campanhas de defesa do consumidor e uma investigação regulatória, a empresa abriu-se para o autorreparo com o lançamento de seu programa de Autosserviço de Reparo no ano passado. Atualmente, a Apple oferece kits de autorreparo, instruções e componentes oficiais da Apple que os clientes podem usar para consertar seus dispositivos, mas apenas mediante pagamento de uma taxa e se souberem o que estão fazendo.

Leia mais: Pesquisadores criam ataque assustador ao Mac usando IA e som

Do meu ponto de vista, a medida que a Apple agora apoia (SB 244) reflete a atual promessa de reparo da Apple. Se for aprovada, dará aos californianos o direito de consertar seus dispositivos.

Para apoiar esse direito, os fabricantes serão obrigados a fornecer peças, ferramentas e diagnósticos de reparo que os consumidores — e as grandes empresas — possam usar para consertar seus dispositivos. Em outras palavras, isso é mais ou menos o que a Apple já está fazendo. Em teoria, isso estimulará um mercado de reparos mais competitivo.

Direito de Reparo

Comentando sobre esses relatórios, a Apple disse ao TechCrunch:

“A Apple apoia o Ato do Direito de Reparo da Califórnia para que todos os californianos tenham um acesso ainda maior a reparos, ao mesmo tempo em que protegem sua segurança, privacidade e proteção”.

A empresa destacou que cria produtos duráveis e ressaltou que, se eles precisarem ser reparados, “os clientes da Apple têm uma crescente variedade de opções de reparo seguras e de alta qualidade”.

Em uma declaração, o CEO da iFixit, Kyle Wiens, observou: “O apoio da Apple ao Projeto de Lei do Direito de Reparo na Califórnia é um momento marcante para os direitos do consumidor. Parece que o Muro de Berlim dos monopólios de reparo tecnológico está começando a desmoronar, tijolo por tijolo”.

Como funciona

O que diferencia a abordagem da Califórnia é que a legislação estabelece regras básicas para definir os termos de suporte de reparo pelos fabricantes. Por exemplo, os fabricantes que vendem produtos que custam mais de US$ 99.99 devem fornecer materiais de reparo por sete anos, enquanto os itens de custo inferior precisam ser suportados por até três anos. A ideia é que o suporte de reparo do produto esteja disponível após o período de garantia. Também existe uma programação de multas, de modo que uma empresa que viole a lei três vezes será multada em US$ 5.000 por violação por dia.

Dentro do contexto do amplo apoio da Apple à sustentabilidade ambiental, parece que o apoio aos reparos pelos consumidores sempre seria inevitável. Mesmo assim, a decisão provavelmente reflete discussões internas dentro da empresa.

Quando se trata de tornar os produtos mais sustentáveis, Lisa Jackson, vice-presidente da Apple para Iniciativas Ambientais, Políticas e Sociais, disse recentemente: “Gosto de lembrar às pessoas que não poderíamos apenas definir uma meta, tivemos que elaborar um plano, assim como temos um plano para cada produto que a Apple eventualmente lança”.

Afinal, o relatório mais recente de Responsabilidade Ambiental da empresa continua enfatizando como a Apple deseja garantir que todos os seus produtos sejam neutros em carbono até 2030, e uma maneira de alcançar isso é tornar os produtos mais fáceis de reparar, prolongando a vida útil enquanto cria planos sólidos para reciclagem assim que eles se tornam obsoletos.

Veja mais: PCs em baixa: remessas caem quase 17% no 2º trimestre do ano, aponta Gartner

“Projetamos nossos produtos para serem usados diariamente com o mínimo de necessidade de reparo. Mas se um reparo for necessário, os clientes devem ter fácil acesso a serviços de reparo convenientes e de qualidade para fazer com que seu produto volte a funcionar o mais rápido possível”, explicou o relatório.

No momento, o uso dos produtos responde por 24% da pegada de carbono da empresa, então a Apple sabe que deve fazer tudo o que puder para reduzir esse impacto – e fornecer às pessoas as ferramentas para reparar seus dispositivos ajuda nesse sentido.

Embora alguns possam argumentar que a empresa anteriormente priorizou a criação de dispositivos de alta tecnologia que eram difíceis de reparar, seu futuro agora parece incluir um foco maior em criar sistemas mais fáceis de reparar – embora apenas com as ferramentas corretas.

O apoio da Apple muda o jogo

Com isso em mente, parece provável que o apoio da Apple ao projeto de lei da Califórnia seja refletido nas ações da empresa em outras partes da cadeia de valor.

Seu apoio também sugere que outros fabricantes de eletrônicos de consumo não têm outra opção senão seguir o exemplo. No futuro, os usuários tanto no ambiente de consumo quanto empresarial esperarão opções de reparo para seus dispositivos, mesmo que o processo seja complexo e exija ferramentas especiais. E não apenas na Califórnia.

Siga o IT Forum no LinkedIn e fique por dentro de todas as notícias!

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.