Para a AWS, potencial da IA generativa ‘não é superestimado’

Executivos discutiram a tecnologia no AWS Summit. Para VP da empresa, IA generativa servirá a todos os setores

Author Photo
1:33 pm - 07 de agosto de 2023
Executivos discutem sobre IA generativa Executivos discutem sobre IA generativa Foto: Divulgação

A IA generativa não é superestimada. Pelo menos para Francessca Vasquez, vice-presidente de tecnologia da AWS. “Acho que o que estamos experimentando é o aprendizado profundo. A inteligência artificial e machine learning já estão acontecendo há algum tempo”, disse ela durante o AWS Summit.

Ela exemplifica falando sobre como a AWS e a Amazon estão desenvolvendo profundamente a IA por mais de 20 anos. Tudo começou com amazon.com e personalização, então definitivamente não é novo. Mas, segundo ela, o que capturou a imaginação e a criatividade de todos é “A Arte da Possibilidade” do que você pode fazer com essa vasta quantidade de dados que, antes, não era possível fazer de maneira fácil.

“Pensar em ser capaz de impulsionar e aprimorar as experiências do cliente, aproveitando o poder dos dados. O diferencial da IA generativa é que você não precisa estar em um setor específico. Você não precisa estar em uma função específica, ser um CEO ou ser um desenvolvedor. Ele atinge todos os negócios, setores e personas imagináveis, e os casos de uso, na minha perspectiva, são completamente ilimitados”, diz ela.

De acordo com Francessca, as pessoas pensam em como podem transformar sua inovação em marketing e vendas. Ou, por exemplo, se tiver um contact center e quiser aprimorar o suporte ao cliente. Se você está construindo um software, pode usar para impulsionar a melhor produtividade do desenvolvedor e do desenvolvimento de software de produto. Esses são alguns cenários que capturaram o interesse de todos.

Leia mais: Infraestrutura da AWS poderá contribuir em até US$ 4,8 bilhões no PIB brasileiro

No momento, para qualquer empresa, é muito atraente, porque muitas delas estão tentando descobrir como impulsionar o crescimento, como se tornar mais produtivas, como administrar um negócio com eficiência.

“Eu acho que existem vários casos horizontais que você pode aplicar se você é uma startup começando, e você olha para o número de investimentos que estão acontecendo no espaço de startups”, explica ela. Resumindo, não haverá um setor que possua IA generativa, haverá espaço para todos os setores e para todos os clientes.

Por outro lado, Moisés Nascimento, CTO do Itaú Unibanco, diz que a empresa vem investindo muito nos últimos quatro anos para ter uma base sólida de dados. “Meu objetivo sempre foi como posso processar qualquer grau e analisar dados em escala, com eficiência de preço e a última linha que é a chave para nossas soluções. Então, no ano passado, migramos toda a nossa infraestrutura de dados para a nuvem.”

“Migramos todo o data lake e criamos uma arquitetura de data mash onde as pessoas que estão na borda e as pessoas que estão na frente do cliente podem inovar com dados, aplicando significados às necessidades do cliente e ao desenvolvimento do produto”, complementa.

Segundo ele, é realmente um grande passo, um grande salto na evolução da inteligência artificial. Entretanto, como vamos conseguir dar sentido aos dados no futuro? “O que fizemos internamente foi organizar nossa equipe de tecnologia emergente, junto com meus cientistas de dados para organizar centenas de dados e casos de uso usando IA, colocando tudo em um laboratório muito forte.”

A AWS, por sua vez, está analisando outras ideias de reinvenção sobre como eles querem pensar sobre o cliente. A relação de contato e suporte varia de acordo com o setor. Eles têm empresas que estão na área de viagens e hospitalidade, que estão pensando em reimaginar como os clientes fazem reservas, por exemplo.

“No momento, estamos realmente focados em fornecer flexibilidade suficiente para que as empresas possam usar seus dados dentro de uma variedade de opções seguras, com desempenho e responsabilidade, e eu tenho que apenas enfatizar que, embora haja essa empolgação em torno da IA em geral e da IA generativa, também há essa responsabilidade de que somos muito compelidos pelas empresas, a maioria não enxerga como pode ser irresponsável”, diz Francessca.

Moisés concorda, acreditando que o setor privado tem uma grande responsabilidade pelo que está fazendo.

Siga o IT Forum no LinkedIn e fique por dentro de todas as notícias!

Author Photo
Laura Martins

Editora do IT Forum. Jornalista com mais de dez anos de atuação na cobertura de tecnologia. É a quarta jornalista de tecnologia mais admirada no Brasil, pelo prêmio “Os +Admirados da Imprensa de Tecnologia 2022” e tem a experiência de contribuições para o The Verge.

Author Photo

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.