Notícias

Mais de 60% dos brasileiros compartilham senhas de streaming

A maioria dos brasileiros admite compartilhar serviços de assinatura de streaming com amigos e familiares, revelou uma pesquisa da Rakuten Advertising, empresa de serviços e tecnologia de marketing. De acordo com o levantamento feito com 400 consumidores de 18 a 45 anos em todo o Brasil, 60,4% compartilham senhas para dividir custos e apenas 34% têm mais de três assinaturas pagas.

O estudo buscou avaliar também a penetração do modelo AVOD (Ad-Based Video On Demand), que consiste em vídeo sob demanda baseado em publicidade, e o FAST (Free Ad-Supported Streaming), uma programação de TV gratuita, sob demanda e suportada por publicidade.

Os números apontam que 76% dos respondentes – todos detentores de, ao menos, uma assinatura de streaming – já consomem mais AVOD do que outras plataformas de vídeo.

Leia também: 5 tendências que vão ditar o futuro da experiência do cliente

Na análise do estudo, em um cenário de crise econômica, o modelo de mercado do video on demand deverá ser repensado. Hoje há serviços que oferecem conteúdos diversos, mas em plataformas diferentes – o que obriga o consumidor a escolher quais assinaturas deseja manter.

Entre os brasileiros entrevistados, 75% diz que pretende consumir mais serviços de streaming gratuitos com publicidade em razão da crise que aumentou a inflação e o custo de vida. Além disso, 31% dos entrevistados afirmaram que cortarão as assinaturas pagas pelo mesmo motivo. Na contramão, e também seguindo a linha de redução de gastos, pouco mais da metade (53%) continua consumindo TV ao vivo.

Publicidade no streaming

O estudo indica que essa demanda dos consumidores revela oportunidades para o mercado publicitário, já que os próprios consumidores demonstram como pode ser o cenário ideal para os anunciantes.

Para os brasileiros, a personalização é a palavra-chave. Isso porque 40,6% preferem anúncios de marcas que gostam de seguir, enquanto 45,9% querem anúncios relevantes baseados em seus interesses. Outro ponto importante é a lembrança da marca, mas sempre respeitando o momento de lazer durante o consumo do streaming: 39,8% preferem anúncios mais curtos, porém mais frequentes; ao passo que 37,1% querem anúncios interruptíveis.

“A transformação do consumo midiático televisivo para uma experiência completamente personalizada cria uma oportunidade para realocar essa verba de forma mais estratégica. Isso garante telespectadores concentrados e dispostos a receber bem o anúncio, desde que converse com o público certo”, diz Luiz Tanisho, vice-presidente da Rakuten Advertising no Brasil.

Recent Posts

Suprema Corte dos EUA pode redefinir regras para mídias sociais e liberdade de expressão on-line

A Suprema Corte dos Estados Unidos está no centro de uma análise histórica que pode…

4 horas ago

Principais empresas da América Latina e Caribe consideram IA e Open Finance fundamentais, segundo estudo

Em meio aos atuais desafios macroeconômicos, a América Latina e Caribe vem se mostrando um…

5 horas ago

Montadoras europeias exploram parcerias para enfrentar desafios com os veículos elétricos

Enfrentando uma crescente concorrência de rivais chineses e o impacto disruptivo da Tesla, as fabricantes…

5 horas ago

Microsoft fecha acordo com a empresa francesa Mistral AI, principal concorrente da OpenAI na EU

Nesta segunda-feira (26), a empresa francesa Mistral AI anunciou uma "parceria estratégica" com a Microsoft…

6 horas ago

Mês da Internet Segura: brasileiros perderam mais de R$ 1 bilhão em golpes digitais em 2023, 12% a mais que 2022

Para um ambiente online mais seguro, aliar tecnologia com educação digital é fundamental e esse…

7 horas ago

Ciberataques na nuvem cresceram 75% em 2023, diz CrowdStrike

Ciberataques e intrusões feitos na nuvem aumentaram 75% em 2023, na comparação com 2022. Mas…

10 horas ago