Computerworld Brasil

Twitter furtivamente demite 10% dos funcionários restantes, incluindo equipe de tecnologia

Cerca de 10% da força de trabalho remanescente da gigante da mídia social Twitter, incluindo funcionários encarregados de manter a plataforma funcional, descobriram que haviam sido demitidos no fim de semana, de acordo com um relatório publicado no domingo pelo The New York Times.

Cerca de 200 cientistas de dados, gerentes de produto e engenheiros trabalhando em questões como confiabilidade do site estavam entre os demitidos, dias depois que a empresa desligou parte de sua infraestrutura de comunicação interna, de acordo com o relatório. Esses cortes são os mais recentes de vários que afetaram o Twitter desde a aquisição de Elon Musk, no final de 2022. Menos de 2.000 funcionários ainda trabalham no Twitter, dos cerca de 7.500 que estavam presentes antes do acordo de fechamento de capital da empresa.

Uma reportagem do Times disse que a empresa fechou sua instância do Slack no início da semana passada, o que dificultou a comunicação entre os funcionários, e que alguns funcionários só descobriram que haviam sido demitidos quando foram desconectados dos sistemas do Twitter, incluindo contas de e-mail e laptops. Além disso, uma plataforma de bate-papo do Google administrada pela empresa para seus funcionários foi fechada no fim de semana.

Esther Crawford, Chefe do Twitter Blue – o serviço de verificação da empresa que começou a cobrar dos usuários uma taxa mensal pela cobiçada “marca de seleção azul” em seus perfis – estava entre os demitidos na última rodada de demissões, de acordo com relatórios generalizados. Crawford foi o fundador de um aplicativo social de compartilhamento de tela chamado Squad, que foi comprado pelo Twitter em 2020 por uma taxa não revelada.

Logo após a aquisição de Musk, ele implementou demissões em larga escala que, em alguns casos, afetaram departamentos inteiros. Várias outras rodadas de demissões ocorreram desde então, e muitos outros funcionários deixaram a empresa depois que o bilionário herdeiro da mina de esmeraldas emitiu um ultimato aos funcionários remanescentes, dizendo que eles precisariam trabalhar de maneira “extremamente pesada” para continuar.

Foi enviado um pedido de comentário ao Twitter, mas até a publicação deste artigo não houve resposta da empresa.

As demissões no Twitter ocorrem enquanto as empresas de tecnologia, enfrentando uma economia global incerta e o desaceleramento do crescimento da receita, fomentam o ritmo das demissões este ano. Depois de uma farra de contratações durante a pandemia, quando os bloqueios provocaram uma mudança para o trabalho remoto e um aumento no comércio eletrônico e nas comunicações on-line, eles agora enfrentam quedas de receita.

Recent Posts

IA e abuso infantil: desafios tecnológicos para a proteção das crianças on-line

Um relatório da Universidade de Stanford alerta que o Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e…

3 horas ago

Compass UOL reúne empresas adquiridas no AI/R Group

A Compass UOL, junto de suas empresas adquiridas nos últimos anos - Avenue Code, EdgyLabs,…

4 horas ago

Lideranças do Instituto Heineken, Petrobras e Basf discutem futuro sustentável no Distrito Itaqui

Nesta segunda-feira (22), em que se celebrou o Dia do Planeta, cerca de 30 executivos…

5 horas ago

EXCLUSIVO: AWS anuncia funcionalidades no Bedrock com foco em eficiência e diminuição de custo

A AWS tem como estratégia ser capaz de oferecer aos seus clientes opções de modelos…

6 horas ago

Sicoob Engecred investe em tecnologia e se torna cooperativa plena

Uma das maiores cooperativas do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob), o Sicoob…

6 horas ago

Zendesk aumenta incorporação de GenAI no portfólio de experiência do cliente

A Zendesk anunciou na semana passada, durante evento nos EUA, uma série de lançamentos que…

8 horas ago