Custo ainda é o maior impulsionador para multicloud, segundo estudo

Goste ou não, 98% dos usuários de IaaS e PaaS já estão em um ambiente multicloud, mas suas estratégias para lidar com isso variam

Author Photo
11:37 am - 28 de fevereiro de 2023
PMEs, nuvem, segurança, proteção, cibersegurança Imagem: Shutterstock

A seguradora italiana Reale Group se viu com quatro provedores de nuvem executando cerca de 15% de suas cargas de trabalho e nenhuma estratégia clara para gerenciá-los. “Não era um resultado que buscávamos, era o resultado da realidade”, disse Marco Barioni, CEO da Reale ITES, unidade interna de serviços de engenharia de TI da empresa.

Desde então, Barioni assumiu o controle da situação, colocando em ação um plano plurianual para mover mais da metade dos principais aplicativos e serviços do Grupo Reale para apenas duas nuvens públicas em busca de otimização de custos e inovação.

Ambientes multicloud como o do Reale Group já são a norma para 98% dos usuários de infraestrutura como serviço ou plataforma como serviço – embora nem todos estejam assumindo o controle de sua situação da mesma forma que Barioni.

Isso de acordo com um novo estudo sobre o uso de nuvem corporativa da 451 Research, que também analisou o que as empresas estão executando em várias nuvens públicas e como elas medem o sucesso da estratégia.

Dois terços dos entrevistados estão usando serviços de dois ou três provedores de nuvem pública, enquanto 31% são clientes de quatro ou mais provedores de nuvem. Apenas 2% tinham um único provedor de nuvem.

Os ambientes de nuvem dessas empresas tornaram-se ainda mais complexos ao levar em consideração o uso de ofertas de software como serviço. Metade dos entrevistados usava de dois a quatro provedores de SaaS, um terço usava de cinco a nove provedores e um oitavo usava 10 ou mais. Apenas 4% disseram que usaram uma única solução SaaS, o que não é uma tarefa fácil, dada a prevalência do Salesforce, Zoom e suítes de produtividade on-line, como Microsoft 365 ou Google Workspace.

O estudo, encomendado pela Oracle, analisou as atividades de 1.500 empresas em todo o mundo que fazem uso de Infraestrutura como serviço (IaaS) ou Plataforma como serviço (PaaS), ou que estão planejando fazer uso delas nos próximos seis meses. A pesquisa foi realizada entre julho e setembro de 2022.

Três anos depois dos primeiros bloqueios da Covid-19, está claro que a pandemia foi um fator significativo de adoção de multicloud para 91% dos entrevistados. Mas agora que a necessidade imediata de mudar para operações remotas e gerenciamento remoto passou, as empresas estão buscando outros benefícios à medida que constroem seus ambientes multicloud.

Por que construir uma infraestrutura multicloud?

As duas motivações citadas com mais frequência para usar vários provedores de nuvem foram soberania ou localidade de dados (citada por 41% dos entrevistados) e otimização de custos (40%). As empresas de serviços financeiros, seguros e assistência médica estavam mais preocupadas com o local de armazenamento de seus dados, enquanto o custo era o maior fator para as empresas de imóveis, manufatura, energia e tecnologia.

Em seguida, vieram três preocupações relacionadas: agilidade nos negócios e inovação (30%); melhores serviços e aplicativos em nuvem (25%); e preocupações com fornecedores de nuvem (25%). A adoção de um único provedor de nuvem pode impedir que as empresas acessem novos recursos de tecnologia (como o muito aclamado ChatGPT, que a Microsoft está usando para atrair clientes para seus serviços de nuvem do Azure), deixando-as com um segundo melhor serviço de um provedor de nuvem que investe menos em uma determinada tecnologia ou permitindo que o provedor as mantenha como reféns e aumente os preços.

Os benefícios tradicionais da duplicação da infraestrutura de TI foram os menos importantes, com maior resiliência ou desempenho citados por 23% dos entrevistados e recursos de redundância ou recuperação de desastres por apenas 21%.

Mas ainda há muitos fatores que impedem a adoção de multicloud na empresa. O gerenciamento de provedor de nuvem foi o mais citado (por 34% dos entrevistados), seguido de interconectividade (30%). No terceiro lugar, um empate, com questões de governança de dados, carga de trabalho e portabilidade de dados, conformidade regulatória e garantia de segurança em nuvens públicas citados, todos, por 24% dos entrevistados.

“O grau em que os benefícios superam os desafios pode depender se a multicloud faz parte de uma estratégia de transformação de TI mais ampla… ou até que ponto ela aborda questões específicas de custo, organização ou governança”, escreveu Melanie Posey, autora do estudo. Simplesmente ter vários ambientes de nuvem pública para atender às necessidades de diferentes usuários pode ser bom o suficiente para mitigação de riscos e arbitragem de custos para algumas empresas, escreveu ela, enquanto outras desejarão ambientes integrados nos quais cargas de trabalho e dados possam ser executados em várias nuvens públicas.

Bytes da realidade

O Reale Groupe ainda está abrangendo esses dois estados, enquanto o líder de TI, Marco Barioni, move a empresa de relacionamentos com quatro hiperescaladores que acabaram de acontecer para uma maior dependência de dois [ambientes] que ele escolheu.

Sua escolha de nuvens – OCI, da Oracle, e Azure, da Microsoft – foi limitada pela confiança do Reale na plataforma Exadata, da Oracle. “Todos os nossos principais aplicativos são executados em bancos de dados Oracle”, disse ele.

Embora vários provedores de nuvem oferecessem os pacotes de serviços para machine learning e gerenciamento avançado de processos que ele procurava, a escolha da Microsoft para hospedar os aplicativos de negócios restantes se resumia à latência, disse ele. A Oracle e a Microsoft integraram estreitamente sua infraestrutura nas regiões mais importantes para o Reale, permitindo que o grupo construísse interconexões de alta velocidade entre aplicativos executados em cada nuvem. O Reale moverá seus primeiros aplicativos integrados para a nuvem em março de 2023, disse ele.

Gerenciamento multicloud

A Johnson Controls está mais avançada em sua jornada multicloud. Ela fabrica sistemas de controle para gerenciar processos industriais e edifícios inteligentes, alguns dos quais podem ser gerenciados a partir da plataforma OpenBlue baseada em nuvem, administrada por Vijay Sankaran, CTO da empresa. Ele disse que, embora a empresa tenha um provedor de nuvem principal, ela optou por arquitetar sua plataforma para operar em várias nuvens para atender seus clientes onde eles estiverem.

Essa mudança multicloud significou trabalho extra, conectando tudo a uma plataforma de observabilidade comum e garantindo que todos os eventos de segurança sejam alimentados em um único centro de operações de segurança virtual integrado para que as várias nuvens possam ser monitoradas a partir de um único painel de vidro, disse ele. Embora a sobrecarga de adicionar mais provedores de nuvem seja esperada, o mesmo problema existe mesmo ao lidar com um único hiperescalador, pois diferentes instâncias regionais podem ter controles específicos que precisam ser implementados, acrescentou.

O estudo também perguntou às empresas quais resultados-chave elas esperavam de uma plataforma de gerenciamento multicloud. Apenas 22% citaram o único painel de vidro no qual Sankaran confia. As principais respostas foram otimização de custos de nuvem (33%), uma política de governança comum entre nuvens e integração com infraestrutura local (ambos 27%), visibilidade e análise aprimoradas (26%) e integração com conjuntos de ferramentas existentes (25%).

Controle de custo

Quer uma empresa opte por distribuir suas cargas de trabalho em mais nuvens públicas ou concentrá-las em menos, tudo parece voltar ao gerenciamento de custos.

Barioni, do Reale Group, tem um plano para isso envolvendo uma equipe principal com um mix de competências: alguns especialistas em infraestrutura de tecnologia e outros com profundo conhecimento de contabilidade. Os desenvolvedores tendem a buscar a melhor solução técnica, que geralmente não é a mais econômica, disse ele.

Quando os aplicativos são executados no local, a capacidade de computação — e, portanto, o custo — é limitada pelo que o data center pode conter, enquanto há poucos limites para a capacidade de computação da nuvem — ou seu custo. Reunir a mentalidade técnica e a mentalidade financeira ajudará Barioni a equilibrar custo e desempenho neste novo ambiente irrestrito. “Todos os dias, você precisa tomar decisões sobre como priorizar suas cargas de trabalho e decidir como otimizar o poder de computação que possui”, disse ele. “É uma mentalidade completamente nova”.

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.