A cibersegurança tem um problema de gênero. Como resolvê-lo?

A correção da lacuna de gênero deve ser uma prioridade para que o setor não seja afetado negativamente

Author Photo
10:30 am - 08 de março de 2024
mulher em cibersegurança

Mais do que nunca, as empresas precisam de diversidade para garantir que sejam robustas, sustentáveis e voltadas para o futuro. No entanto, os homens ainda representam 80% da força de trabalho de cibersegurança em todo o mundo. A correção da lacuna de gênero deve ser uma prioridade para que o setor não seja afetado negativamente.

A cibersegurança é um setor em rápida expansão, com crescimento anual de 12,4% em todo o mundo, graças ao aumento da infraestrutura empresarial baseada em nuvem e aos ataques cibernéticos cada vez mais sofisticados e predominantes. Para atender a essa tendência, o número de empregos em segurança cibernética crescerá 32% na próxima década.

No entanto, a demanda atual por talentos já está em alta, e há 600 mil cargos de cibersegurança não preenchidos nos EUA atualmente. Cerca de 70% dos trabalhadores de segurança cibernética acham que suas organizações não têm pessoal suficiente para se defender contra os ataques.

Leia mais: Livro “TI de Salto” chega à 4ª edição com recorde de autoras

É preocupante que, além da lenta integração de talentos cibernéticos, as poucas mulheres que trabalham com cibersegurança estão abandonando suas carreiras em um ritmo alarmante. O relatório State of Inclusion of Women in Cybersecurity (Estado da Inclusão das Mulheres na Cibersegurança) constatou que as mulheres frequentemente passam por situações que afetam sua capacidade de crescer e avançar em suas carreiras, e essa experiência está fortemente ligada a taxas de retenção baixas.

O problema da escassez de talentos e o problema da lacuna de gênero na cibersegurança estão, portanto, intrinsecamente ligados. Se resolvermos a questão da diversidade de gênero no local de trabalho e capacitarmos mais mulheres para ingressar, manter e avançar em suas carreiras, resolveremos naturalmente o problema da falta de talentos. Contratar mais mulheres não significa substituir um homem por uma mulher, mas sim acrescentar mulheres à força de trabalho total. Então, como abordaremos isso?

Contrate conjuntos de habilidades, não títulos

Há uma teoria comum e irritante de que há falta de mulheres no setor cibernético porque poucas têm formação em STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática). No entanto, a tendência dos gerentes de contratação no setor cibernético de contratar apenas à sua própria imagem (procurando candidatos com trajetória acadêmica e histórico de carreira semelhantes) é a verdadeira fonte do problema, pois exclui as pessoas que abordam a segurança cibernética fora das rotas educacionais tradicionais.

Na realidade, não é necessário ter experiência pura em cibersegurança para ser um candidato adequado às funções de segurança cibernética porque, fundamentalmente, pessoas inteligentes podem aprender. Basta que haja recursos reservados para ajudar no processo de aprendizado e integração de cada novo contratado.

Infelizmente, mesmo quando contratadas, as mulheres no setor cibernético são frequentemente rotuladas como “não suficientemente técnicas” para suas funções. Até mesmo a diretora de operações de defesa cibernética da NVIDIA, Shawn Richardson, enfrentou essa crítica em sua carreira. Isso força as mulheres na cibersegurança a se esforçarem muito mais para provar seu valor em comparação com os homens, que têm o conhecimento geralmente presumido.

Desprezar as mulheres de modo geral dessa forma não é apenas sexista, mas uma barreira total para a inclusão positiva e o crescimento da empresa. Portanto, toda empresa deve ampliar a rede de contratações, dedicar tempo e recursos a um treinamento completo e direcionado e trabalhar para mudar a cultura em torno das mulheres na segurança cibernética para que elas tenham autonomia para fazer o melhor no seu trabalho.

Leve a saúde mental a sério

Os funcionários de segurança cibernética em todos os lugares também podem ser melhor apoiados por um maior cuidado e estratégia atribuídos à conscientização sobre a saúde mental. Não é nenhuma surpresa que a segurança cibernética seja um setor difícil, pois as equipes lidam com alertas em série de possíveis violações e atividades suspeitas e enfrentam o risco de causar sérios danos com qualquer movimento errado. É um ambiente desgastante que, infelizmente, leva a níveis incomuns de problemas com a saúde mental.

Como a demanda por segurança cibernética continua a aumentar exponencialmente, é imperativo que façamos o melhor possível, como setor, para criar um ambiente em que as pessoas queiram trabalhar, especialmente para as mulheres, que já enfrentam barreiras no trabalho. Isso pode ser feito oferecendo aos funcionários um programa de suporte projetado para equipar os funcionários com ferramentas simples para usar quando o estresse relacionado ao trabalho atingir o pico, mitigando assim os pontos problemáticos antes que eles se tornem difíceis de resolver.

Faça com que funcione em todos os níveis

Uma força de trabalho diversificada e bem-sucedida exige uma divisão positiva de gênero em todos os níveis da empresa, e não apenas nas contratações de nível inicial. Atualmente, a divisão de gênero na liderança em todas as funções de negócios é chocante – por exemplo, apenas oito dos CISOs das empresas listadas no FTSE 100 são mulheres. No entanto, de acordo com a Harvard Business Review, as mulheres sempre obtêm pontuações mais altas do que os homens na maioria das competências de liderança, portanto, não há razão para essa distorção de gênero.

A falta de diversidade no nível da diretoria tem um impacto real sobre como a diversidade se reflete na amplitude de uma empresa. Simplificando, se um conselho totalmente masculino e branco discutir a importância de uma força de trabalho diversificada, ele nunca será levado a sério. Evitar essa questão tem consequências adversas reais: de acordo com a Mckinsey, as empresas mais diversificadas têm uma probabilidade significativamente maior de superar seus pares menos diversificados em termos de lucratividade. No clima macroeconômico atual, é mais importante do que nunca garantir que as mulheres tenham um lugar na sala de reuniões para promover mudanças reais em seus negócios e no setor em geral.

Abordar a diversidade como um todo

É comum falar sobre gênero, mas há outro aspecto da conversa sobre diversidade sobre o qual se fala menos, que é o fato de ser uma mulher negra no setor. Se considerarmos o número reduzido de mulheres que ocupam cargos de segurança cibernética, menor ainda são as negras. A busca por um setor mais inclusivo significa que você deve levar essa categoria em consideração e descobrir como fazer com que essas mulheres em particular se sintam bem-vindas e apoiadas no campo da segurança cibernética.

Em suma, a segurança cibernética é um lugar importante e estimulante para se trabalhar. O setor precisa evoluir e crescer rapidamente para se defender contra ameaças globais contínuas e sofisticadas, e precisamos de um grupo de talentos forte e diversificado para chegar lá.

Embora o Dia Internacional da Mulher seja a época ideal do ano para que os líderes empresariais e de segurança pensem em como tornar a segurança cibernética um local mais inclusivo para que todos possam atender a essa necessidade, será preciso conscientização e investimento durante todo o ano para começar a resolver o problema.

Siga o IT Forum no LinkedIn e fique por dentro de todas as notícias! 

 

Author Photo
Shamla Naidoo

head of Cloud Strategy na Netskope.

Author Photo

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.