Quando a ilusão supera a realidade

Pixel 8, smartphone recém-lançado pelo Google nos EUA, possui recursos que permitem alterar as fotos profundamente, o que desperta alguns temores

Author Photo
9:30 am - 23 de outubro de 2023
Graças à IA em novos celulares, qualquer um poderá alterar profundamente suas fotos - Foto: Akshay Gupta/Creative Commons Graças à IA em novos celulares, qualquer um poderá alterar profundamente suas fotos - Foto: Akshay Gupta/Creative Commons

Quando a fotografia foi inventada, no século XIX, ela revolucionou o mundo por conseguir reproduzir facilmente a realidade. De lá para cá, ela só melhorou, culminando na fotografia digital, que transformou um hobby caro em uma diversão extremamente popular, consolidada com as câmeras cada vez mais poderosas nos celulares. Mas agora esses equipamentos podem ironicamente subverter a característica essencial da fotografia de retratar a realidade com precisão.

A culpa disso recai sobre a inteligência artificial. Ela já está presente há algum tempo nos softwares de captura e edição de imagens dos melhores celulares. Mas, até então, prestava-se a “melhorar” (note as aspas) as fotografias, usando técnicas para aumentar a sua fidelidade e refinar elementos como cores, brilho e contraste.

Isso começa a mudar agora, com o lançamento nos EUA, no dia 11, do Pixel 8 (sem previsão de chegada ao Brasil). O smartphone de US$ 700 do Google consegue efetivamente alterar a realidade fotografada. Isso quer dizer que, com ele, é possível, por exemplo, eliminar pessoas e objetos das fotos, alterar elementos das imagens ou modificar suas posições e até “melhorar” (de novo, com aspas) o rosto de pessoas combinando com a maneira que elas apareceram em outras fotos.

Como em todas as atuais plataformas baseadas na inteligência artificial generativa, alguns resultados dessas edições são decepcionantes e até grotescos. Outros, porém, ficam incrivelmente convincentes!

Já dizia São Tomé: “preciso ver para crer”. Parábolas à parte, é um fato que somos seres visuais: nosso cérebro tende a assumir como real o que está diante de nossos olhos. Por isso, vale perguntar até que ponto é positivo e até saudável dar a possibilidade de se distorcer a realidade de maneira tão simples.


Veja esse artigo em vídeo:


É curioso que a fotografia foi combatida por muitos quando surgiu, justamente pela sua capacidade de reproduzir, de maneira fácil, rápida e precisa, o mundo. Pintores diziam que o invento era algo grosseiro, que eliminava a subjetividade e a técnica dos artistas quando retratavam pessoas e paisagens. Grupos religiosos também a combatiam, por serem contrários à captura de imagens de “coisas feitas por Deus”.

Em 1826, o francês Joseph Nicéphore Niépce registrou seu quintal em uma placa de estanho revestida de betume, usando uma câmera escura por oito horas. Essa é considerada a primeira fotografia permanente. Três anos depois, ele fez um acordo com outro francês, Louis Jacques Mandé Daguerre, que aperfeiçoou o processo com o daguerreótipo, que precisava de “apenas” 30 segundos para fazer uma fotografia.

A patente do daguerreótipo foi vendida ao Estado francês em 1839, que a colocou em domínio público. Isso permitiu que a fotografia experimentasse grandes avanços ao redor do mundo. Provavelmente a empresa mais inovadora do setor foi criada pelo americano George Eastman em 1888: a Kodak. Entre suas contribuições, estão o rolo de filme (1889), a primeira câmera de bolso (1912) e o filme colorido moderno (1935).

O último grande invento da Kodak foi a fotografia digital, em 1975. Mas como os lucros da empresa dependiam da venda de filmes, seus executivos não deram importância a ela. Foi um erro fatal, pois a tecnologia se tornou incrivelmente popular e, quando a empresa decidiu olhar para ela, as japonesas já dominavam o mercado.

Em 1999, foi lançado o Kyocera VP-210, o primeiro celular com câmera capaz de tirar fotos, que tinham resolução de 0,11 megapixel (o iPhone 15 tira fotos de 48 megapixels). E isso nos traz de volta ao dilema atual.

Realidade alternativa

As fotografias nos celulares se tornaram tão realistas e detalhadas que o próprio negócio de câmeras fotográficas entrou em colapso. Elas continuam existindo, mas hoje praticamente só profissionais as utilizam, pois sabem como aproveitar todos os recursos daqueles equipamentos para fotografias realmente diferenciadas.

Os recursos de IA do Pixel 8 fazem parte de uma nova versão do Google Fotos, o aplicativo de edição e publicação de fotos da empresa, que é nativo nos smartphones Android, mas também pode ser baixado para iPhones. Isso significa que, em tese, outros aparelhos poderão ganhar esses recursos em breve, desde que, claro, tenham capacidade de processamento para isso.

A alteração de fotografias sempre existiu, mesmo antes dos softwares de edição de imagem. Entretanto fazer isso era difícil, exigindo equipamentos e programas caros e muita habilidade técnica. Além disso, as fotos editadas eram apresentadas como tal, sem a pretensão de levar quem as visse a acreditar que fossem reais (salvo exceções, claro)..

O que se propõe agora é que isso seja feito de maneira muito fácil, por qualquer pessoa, sem nenhum custo adicional e em equipamentos vendidos aos milhões. Isso levanta algumas questões éticas.

A primeira delas é que as pessoas podem passar a se tornar intolerantes com a própria realidade. O mundo deixaria de ser o que é, para ser o que gostariam. Isso é perigosíssimo como ferramenta para enganarem outros indivíduos e até a si mesmas.

A sociedade já experimenta, há anos, um crescimento de problemas de saúde mental, especialmente entre adolescentes, devido a fotos de colegas com corpos “perfeitos” (pela terceira vez, as aspas). Isso acontece graças a filtros com inteligência artificial em redes sociais, especialmente Instagram e TikTok, que fazem coisas como afinar o nariz, engrossar os lábios, diminuir os quadris e alterar a cor da pele. O que se observa mais recentemente são adolescentes insatisfeitos com seus corpos não pelo que veem em amigos, mas pelo que veem em suas próprias versões digitais.

Há um outro aspecto que precisa ser considerado nesses recursos de alteração de imagens, que são os processos de desinformação. Muito provavelmente veremos grupos que já se beneficiam das fake news usando intensamente essa facilidade para convencer seu público com mentiras cada vez mais críveis.

Hoje esses recursos ainda estão toscos demais para um convencimento completo. Mas é uma questão de pouco tempo até que eles se aproximem da perfeição.

Não tenham dúvidas: quando estiver disponível, as pessoas usarão intensamente essa tecnologia, estando imbuídas de boas intensões ou de outras não tão nobres assim. Quem será responsabilizado quando começarem a surgir problemas disso?

Assim como acontece com as redes sociais, as desenvolvedoras se furtam disso, dizendo que apenas oferecem um bom recurso, e as pessoas que fazem maus usos deles. Em tese, isso é verdade. Mas alegar inocência dessa forma chega a ser indecente! É como entregar uma arma carregada na mão de uma criança e torcer para que nada de ruim aconteça.

Chegamos ao mundo em que a ilusão se sobrepõe à realidade, mas não estamos prontos para lidar com isso.

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.