Startups brasileiras receberam R$ 8,8 bi em 2023. ‘Deals’ caíram 20%

Estudo da Liga Ventures aponta que foram realizados 317 'deals' ao longo do ano, 20% menos do que em 2022

Author Photo
12:34 pm - 09 de fevereiro de 2024
queda, crise, problema, startups brasileiras Foto: Divulgação

A rede de inovação aberta Liga Ventures lançou essa semana um estudo – o Ecossistema 2023 – sobre a evolução do ecossistema de startups no Brasil ao longo de 2023. No período foram realizados 317 “deals”, que movimentaram R$ 8,8 bilhões. Respetivamente, foram 20% e 53,44% de queda com relação a 2022, sacramentando um ano relativamente ruim para o ecossistema local.

O terceiro trimestre se destaca como o intervalo com maior quantia em aportes (R$ 3,54 bilhões), enquanto o segundo registrou o de menor (R$ 1,6 bilhão). Os M&As no período também caíram: foram 64, quase 10% menos do que em 2022.

As verticais com mais startups ativas foi o de fintechs (827), seguido das agtechs (811), healthtechs (543), foodtechs (475) e retailtechs (420). Em relação ao total de startups fundadas entre 2020 e 2023, em primeiro lugar temos as agtechs (15%), seguidas pelas fintechs (14%), healthtechs (9%), foodtechs (6%), e beautytechs (5%).

Leia também: BlaBlaCar Brasil lidera o mercado global da empresa

“Os dados apresentados pelo levantamento dialogam com o que observamos nos noticiários ao longo de 2023: o ecossistema de tecnologia enfrentou alguns desafios, que resultaram em um período de investimentos mais contidos”, diz Guilherme Massa, cofundador da Liga Ventures. “Porém, a partir do segundo semestre já houve um aumento nos aportes, que devem se intensificar ainda mais em 2024.”

O executivo acredita que a redução da taxa de juros fará os investidores olharem para ativos de maior retorno e risco, como o de venture.

Distribuição e maturidade

O estudo traz também os estados com maior distribuição de startups ativas. No primeiro lugar está São Paulo (49%), seguido de Minas Gerais (9%), Santa Catarina (9%), Paraná (8%), Rio de Janeiro (6%), Rio Grande do Sul (6%), Espírito Santo (3%), Pernambuco (2%), Distrito Federal (1%), e Goiás (1%).

No que se refere à maturidade das startups, 42% são emergentes, 26% estão estáveis, 19% são nascentes e 13% delas disruptoras. Com relação às tecnologias mais utilizadas, a inteligência artificial se destaca sendo aplicada por aproximadamente 14% das startups, sendo que os setores que mais a utilizam são agtechs (22%), healthtechs (17%), retailtechs (12%), fintechs (10%) e martechs (8%).

No público-alvo, o estudo mostra que 56% das startups têm como foco o mercado B2B, 26% o mercado B2C, e 18% outros mercados.

O estudo considera dados do Startup Scanner, plataforma da Liga Ventures que identifica e acompanha dados de startups do Brasil e América Latina para que grandes empresas, pesquisadores e empreendedores possam entender as movimentações do mercado e encontrar oportunidades de negócios.

Siga o IT Forum no LinkedIn e fique por dentro de todas as notícias!

Author Photo
Redação

A redação contempla textos de caráter informativo produzidos pela equipe de jornalistas do IT Forum.

Author Photo

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.