Conforme mais organizações adotam o trabalho remoto, a cultura da empresa sofre?

Com muitas empresas adotando o trabalho remoto, surge uma pergunta: isso prejudica a cultura e a conexão entre funcionários?

Author Photo
10:00 am - 23 de agosto de 2022

Um número crescente de empresas instituiu políticas que permitem que qualquer funcionário trabalhe totalmente remoto, incluindo Twitter, Meta (Facebook), Airbnb, 3M, Atlassian, Lyft, SAP, Slack, Spotify, e VMware. Muitos estão seguindo a sugestão de funcionários que desejam trabalhar em um mundo totalmente virtual, optando por fechar escritórios e gerenciar remotamente; outras organizações fecharam permanentemente escritórios que eram usados com pouca frequência por um pequeno número de funcionários.

Não são apenas as grandes empresas; empresas menores também estão entrando no trem do trabalho remoto. A consultoria de emprego on-line Remote.co criou uma lista de 25 pequenas empresas totalmente virtuais para quem procura emprego.

Uma das últimas corporações a se retirar de seus escritórios é a Yelp; em junho, a plataforma de review com sede em São Francisco anunciou que os funcionários poderiam trabalhar remotamente e disse que fecharia escritórios em Nova York, Chicago e Washington, D.C. Os três escritórios combinados tiveram menos de 2% de utilização média semanal.

“O sinal mais revelador para nós de que as pessoas preferem fortemente o trabalho remoto tem sido a subutilização de nossos escritórios”, escreveu Jeremy Stoppelman, CEO da Yelp, em um post no blog apropriadamente intitulado: “O futuro do trabalho é remoto”.

“Aprendemos que poderíamos não apenas operar nossos negócios com eficiência como [também] um local de trabalho remoto distribuído, mas que nosso pessoal poderia prosperar e ser tão ou mais produtivo enquanto remoto”, disse ele.

Antes de fechar escritórios, o Yelp pesquisou seus funcionários e descobriu que 86% preferiam trabalhar remotamente a maior parte do tempo, 87% relataram que trabalhar remotamente os tornou mais eficazes e 93% dos funcionários e seus gerentes disseram que ainda podem atingir suas metas .

“Os funcionários estão mais satisfeitos trabalhando remotamente, pois podem gastar um tempo precioso que, de outra forma, gastariam fazendo as coisas que amam com as pessoas que mais significam para eles”, disse Stoppelman.

gallup-poll-remote-work-graphic-100931347-orig

O Dropbox se declarou “virtual first” no início da pandemia de Covid-19, dizendo na época que o trabalho remoto seria “a principal experiência para todos os funcionários e o padrão diário para o trabalho individual”.

“Acreditamos que a maneira tradicional de trabalhar mudou para sempre”, disse um porta-voz do Dropbox em uma recente resposta por e-mail à Computerworld. “Com essa mudança, o principal modo de trabalho para a maioria de nossos funcionários é remoto. Os únicos funcionários que não são remotos trabalham em funções operacionais no escritório”.

Em outubro de 2020, o Dropbox encomendou um estudo da unidade de inteligência da The Economist (The EIU). O estudo descobriu que os trabalhadores do conhecimento estão mais focados em casa e tão engajados quanto quando trabalhavam no escritório.

O Dropbox melhorou a produtividade desde a transição para um local de trabalho Virtual First. Em sua última pesquisa com funcionários, 78% dos entrevistados disseram que são mais produtivos trabalhando no Virtual First, “o que representa um aumento de dois dígitos desde que o implementamos”, disse o porta-voz do Dropbox. “Por ser uma força de trabalho distribuída que está construindo produtos para equipes distribuídas, sentimos fortemente que esse aumento na produtividade será um resultado líquido positivo para nossos clientes”.

A pesquisa interna do Dropbox também revelou que a maioria dos funcionários sente que pode ser mais produtiva em casa (quase 90%) e os funcionários não querem voltar a uma semana de trabalho rígida de cinco dias no escritório.

“Um aspecto fundamental do Virtual First é a conexão pessoal intencional”, disse o porta-voz do Dropbox. “Embora descobrimos que ainda podemos ser produtivos em um ambiente principalmente remoto, não há substituto para a conexão pessoal. É fundamental promover a cultura e a criatividade entre as equipes. Então, com essa mudança, otimizamos nossos escritórios para colaboração e conexão da equipe e os renomeamos como ‘Studios’ – por exemplo, removendo mesas individuais em favor da adição de mais salas de conferência e espaço de colaboração aberto”.

O Dropbox tem 16 desses estúdios globalmente.

A popularidade do trabalho remoto tem aumentado nos últimos anos. Entre fevereiro e março, o site de empregos Flexjobs entrevistou mais de 1.200 trabalhadores empregados e descobriu que o trabalho remoto (77%) é considerado o segundo elemento mais importante dos pacotes de remuneração e benefícios, atrás apenas do salário (83%).

Mas a porcentagem de trabalhadores que podem aproveitar o trabalho remoto varia de acordo com o setor e flutuou à medida que as empresas tentam vários esquemas de trabalho remoto/híbrido.

No ano passado, o Gartner previu que 31% de todos os trabalhadores em todo o mundo seriam totalmente remotos em 2022, acima dos 17% em 2019. Mas, em uma pesquisa do segundo trimestre de 2022 com funcionários dos EUA, o Gartner descobriu que o número de trabalhadores in-person aumentou de 36,6%, no outono [norte-americano] de 2021, para 38,4%, em junho. Em todo o mundo, a porcentagem de trabalhadores totalmente remotos caiu de 23,9% para 18,6%.

Na América do Norte, o número de trabalhadores remotos foi maior, mas ainda com tendência de queda. No outono [norte-americano] passado, 28,1% de todos os trabalhadores na América do Norte eram totalmente remotos e 32% eram trabalhadores híbridos. Em junho, a porcentagem de trabalhadores totalmente remotos era de 25,9%.

Trabalhadores do conhecimento têm mais opções

Para os trabalhadores do conhecimento — profissionais de TI como programadores, web designers, analistas de sistemas, escritores técnicos e pesquisadores —— a porcentagem daqueles que trabalham totalmente remotos foi muito maior: 43%, de acordo com o Gartner.

Toni Frana, Gerente de Serviços de Carreira da FlexJobs e Remote.co, duas empresas especializadas em encontrar organizações para trabalhadores remotos, confirmou que, nos últimos dois anos, houve um aumento notável nas empresas que adotaram acordos permanentes de trabalho remoto.

“Na verdade, o FlexJobs viu um aumento de 12% no número de listas de empregos remotos em 2021, em relação a 2020, e as próprias listas de empregos refletiram mais variedade em cargos e níveis de carreira”, disse Frana. “Isso sinaliza que mais empresas estão comprometidas em contratar para trabalhos remotos a longo prazo – e em todos os setores, os trabalhadores têm mais oportunidades do que nunca de trabalhar remotamente”.

As indústrias que adotam políticas de trabalho totalmente remoto variam em suas políticas individuais, mas as principais indústrias, incluindo Informática e TI, Contabilidade e Finanças, Marketing, Medicina e Saúde, Gerenciamento de Projetos, Atendimento ao Cliente, e RH e Recrutamento, de acordo com Frana.

Muitos empregadores viram os benefícios do trabalho remoto – rotatividade reduzida, produtividade e eficiência aprimoradas, grupos de candidatos maiores e mais diversificados – e agora o consideram vital para o futuro do trabalho, de acordo com Frana. “O trabalho remoto de alguma forma veio para ficar por um tempo, e as empresas precisam estar preparadas…”, disse ela.

Scott Brighton, CEO do provedor de plataforma de trabalho virtual Aurea Software, acredita em um ambiente totalmente remoto. A empresa com sede em Austin, TX, tem sido totalmente remota desde sua criação, em 2012.

“Temos funcionários em 70 países diferentes”, disse Brighton, observando que a empresa completou 17 aquisições e tem 2.000 funcionários. “(…) Fazemos muitas aquisições; (…) podemos comprar empresas que podem estar em qualquer lugar. Então tomamos a decisão desde o início de não ter imóveis”.

Embora a Aurea Software tenha escritórios físicos, eles são pequenos e usados principalmente para mostrar a plataforma de trabalho virtual da empresa para clientes em potencial, disse Brighton.

Embora a maioria dos 4.000 clientes da Aurea trabalhe para organizações com um modelo de trabalho híbrido, sendo solicitado a ir ao escritório de dois a três dias por semana, muitos funcionários nem atendem aos requisitos de agendamento híbrido.

“Na minha opinião, o híbrido é o pior dos dois mundos, porque força essas empresas a construir uma infraestrutura que funcione para ambas as comunidades”, disse Brighton. “E você ainda está forçando as pessoas a ficarem perto do escritório e lidarem com o deslocamento periodicamente. As pessoas nos escritórios estão em seus laptops nas salas de reunião para que possam conversar com as pessoas que trabalham remotamente. É uma bagunça”.

A prática remota prejudica a cultura da empresa?

Uma questão frequentemente citada como uma preocupação por executivos e gerentes é que ficar totalmente remoto deteriorará a cultura da empresa e a conexão dos funcionários.

Brighton reconheceu que isso pode ser um problema. “Não há dúvida de que você perde algo com o trabalho totalmente remoto – principalmente para jovens que ainda não construíram uma rede. Você perde aquela interação espontânea que ajuda a construir relacionamentos”, disse Brighton.

Um estudo de 2021 da Microsoft Corp. descobriu que o trabalho remoto fez com que seus grupos empresariais formais e comunidades informais se tornassem menos interconectados e mais isolados. Especificamente, a parcela do tempo de colaboração que os funcionários gastavam com conexões entre grupos caiu cerca de 25% do nível pré-pandemia.

Os gerentes da Aurea Software combatem esse tipo de isolamento não apenas com o conjunto padrão de ferramentas de colaboração, como Zoom e Slack, mas também com uma plataforma de local de trabalho virtual chamada Sococo; lá, os funcionários podem ver seus avatares interagindo com outros funcionários virtuais. Agora, a empresa vende a plataforma para clientes.

sococo-4-100931342-orig

“Tentamos trazer de volta a noção de presença”, disse Brighton. “Você pode ver onde todos os outros estão no local de trabalho. Você pode ver quem está se encontrando com quem. Você pode ver quem está com a porta do escritório fechada e quem está [com a porta] aberta para que você possa simplesmente entrar. Você pode ver as pessoas no refeitório e se juntar a elas para conversar”.

A empresa também paga por viagens externas para reunir os funcionários periodicamente para construir camaradagem. São três dias intensivos de trabalho em conjunto, juntamente com atividades sociais.

“Então, é um trabalho e colaboração pessoal super intencional. Fazemos isso uma vez por mês, no máximo – talvez uma vez por trimestre”, disse Brighton.

O custo de reunir centenas de funcionários, disse Brighton, é compensado pelo dinheiro economizado por não ter que comprar ou alugar escritórios.

sococo-3-100931345-orig

“Um negócio médio está gastando algo como 10% da receita em imóveis; é um compromisso extraordinariamente caro”, disse ele. “Então, não temos essa despesa. …Todo esse dinheiro pode ser reorientado para todas essas ótimas ferramentas de tecnologia para melhorar a experiência de trabalho remoto e a capacidade de fazer essas [reuniões externas] incríveis e sofisticadas. Na verdade, acaba sendo mais barato”.

Quanto às preocupações com a cultura da empresa, o Gartner descobriu no final do ano passado que 66% dos líderes corporativos queriam funcionários de volta ao escritório, um aumento de seis pontos percentuais em relação a 2020.

A pesquisa fez parte de um relatório intitulado “Você não precisa retornar ao escritório por sua cultura”, que argumentou que os líderes de RH devem reconhecer que o retorno ao escritório não é a única maneira de conectar os funcionários à cultura – e poderia ser contraproducente.

“Os funcionários hoje valorizam a autonomia e a flexibilidade. Nossa pesquisa mostra que cultura e flexibilidade não estão realmente em competição”, disse Gartner. “Conexão é se identificar com a cultura e sentir uma sensação de pertencimento a ela – e isso não acontece apenas no escritório ou em torno de outras pessoas. Os funcionários sentem um sentimento de pertencimento quando são capazes de ser eles mesmos e viver seus próprios valores”.

Para algumas pessoas, sentir um senso de cultura significa entrar no escritório e construir conexões sociais. Para outros, porém, a conexão com a cultura pode vir do sentimento de que sua organização confia neles para trabalhar em casa o quanto quiserem, de acordo com o Gartner.

“Esses funcionários podem até se beneficiar mais de ter menos interações pessoais, o que pode torná-los mais significativos quando ocorrem”, disse o relatório do Gartner.

Coisas a considerar ao ir para o remoto

As empresas que ainda desejam migrar para um local de trabalho totalmente remoto devem considerar tomar ações específicas antes de fazê-lo, de acordo com Frana. As organizações devem:

  • Descobrir como sua equipe se sente em relação ao trabalho remoto. Enviar uma pesquisa para ver quais funcionários gostariam de trabalhar em casa. Com base nesses resultados, você pode determinar o nível de flexibilidade que sua empresa pode oferecer.
  • Certificar-se de que a gerência está a bordo. Um dos principais fatores para o sucesso de uma política de trabalho remoto é como os gerentes se sentem em relação a isso. Explique os benefícios do trabalho remoto, como economias significativas, a capacidade de atrair e reter os melhores talentos de qualquer lugar do mundo e o aumento da produtividade.
  • Ser intencional sobre a cultura da empresa. Um dos maiores desafios enfrentados pelas equipes remotas é manter uma forte cultura da empresa. Além de avaliar cuidadosamente sua força de trabalho atual e decifrar como é um modelo de negócios remoto eficaz, é imperativo que os líderes e gerentes da empresa ajam com intenção e priorizem a cultura.

“Como não exigimos que as pessoas se reportem a um escritório físico, podemos atrair talentos de qualquer lugar”, disse Lucy Suros, CEO da Articulate, desenvolvedora de software de e-learning. “Os novos contratados não precisam mudar suas vidas para se aproximar de um escritório físico. Como resultado, atraímos pessoas entusiasmadas com o que estamos fazendo e que possuem conjuntos de habilidades que nos ajudam a continuar oferecendo produtos incríveis”.

“Além disso, tendemos a reter os talentos que atraímos – nosso volume de negócios no ano passado foi de 8% e [está] em 2% este ano”, acrescentou Suros.

A liderança da Articulate tomou a decisão logo após sua fundação, há 20 anos, de ser uma organização totalmente remota, já que muitas de suas contratações “críticas” estavam espalhadas pelo mundo.

“Percebemos rapidamente que ter uma cultura remota realmente promove uma melhor comunicação, colaboração e produtividade, então continuamos com ela”, disse Suros.

Hoje, a Articulate tem 400 funcionários localizados principalmente nos EUA, com um pequeno número de funcionários espalhados pelo mundo.

Ser totalmente remoto e sem escritórios, argumentou Suros, torna possível contratar os melhores talentos porque você não está limitado pela geografia. Também reduz os custos indiretos dos escritórios físicos.

Ainda mais profundo, disse Suros, é o benefício que um modelo operacional remoto tem na cultura e na produtividade.

“Muitas empresas pensam que uma boa comunicação, colaboração e engajamento acontecem magicamente quando as pessoas estão no mesmo espaço compartilhado, mas isso é francamente ridículo”, disse Suros. “O trabalho remoto força as empresas a enfrentar a dura verdade: você deve construir intencional e programaticamente culturas onde a comunicação seja clara, verdadeira e segura; onde a colaboração é inclusiva, empoderadora e eficaz; e onde as pessoas são engajadas e produtivas porque se sentem vistas, ouvidas e valorizadas. As empresas que fazem isso bem são as de melhor desempenho”.

A Articulate realiza reuniões anuais da empresa, onde os funcionários se reúnem em um local para promover a cultura e a familiaridade da empresa, mas não realiza reuniões externas desde o início da pandemia.

A fabricante de software cria a cultura de sua empresa compartilhando com todos os novos funcionários seus princípios sobre como tratar os outros e como se comunicar, algo que Suros chama de estrutura de organização centrada no ser humano (HCO). A estrutura está focada na construção de uma conexão social e psicologicamente saudável entre “folx” na organização. (Folx é uma variação da palavra “folks” – equivalente a “pessoal” em português – e pretende ser uma maneira neutra de gênero de se referir às pessoas.)

“No centro do nosso HCO está a centralidade no coração, o respeito e o desejo de criar uma dinâmica empoderadora entre o pessoal, em todos os níveis da organização”, disse Suros.

A empresa também promove a cultura corporativa por meio de grupos de recursos e interesses, “canais do Slack baseados em interesses divertidos”, jogos e atividades e bate-papos de café entre colegas de trabalho que são emparelhados aleatoriamente. Também realiza retiros virtuais periódicos, juntamente com seus retiros anuais no local físico.

“O que é problemático para a maioria das empresas não tem nada a ver com o fato de seus funcionários serem remotos ou não. Tem a ver com suas culturas subjacentes”, disse Suros. “Porque as coisas que fazem uma cultura de local de trabalho remoto prosperar – comunicação, colaboração, capacitação – são os mesmos ingredientes que fazem qualquer cultura de empresa prosperar”.

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.