Corrida até a borda: o futuro do gerenciamento do ciclo de vida dos ativos

Computação de borda facilita missão essencial de gerenciar ativos físicos de TI, escreve Orlando Souza

Author Photo
10:12 am - 17 de março de 2023
edge computing cloud nuvem Imagem: Shutterstock

Em uma era de vasta transformação digital, as organizações dependem cada vez mais de uma estrutura de computação de borda distribuída para alimentar serviços digitais, coletar dados de clientes e aumentar a eficiência em toda a empresa. Ao mover os recursos computacionais para fora dos data centers centralizados e para mais perto da fonte dos próprios dados, a computação de borda permite que as organizações coletem e gerenciem melhor uma variedade de dados operacionais.

A Deloitte prevê que, globalmente, o mercado de computação de borda crescerá 22% em 2023, em comparação com o crescimento de 4% em equipamentos de rede corporativa e 6% em TI corporativa geral no mesmo ano, indicando que a corrida para a borda está chegando.

Atrás do crescimento explosivo da computação de borda e da rápida adição de novos dispositivos, sensores e plataformas, é cada vez mais essencial gerenciar de perto os ativos físicos de TI. O Gerenciamento do Ciclo de Vida de Ativos de TI (ALM) é fundamental para manter a segurança de dados eficaz e compatível neste ambiente complexo.

Leia também: Google avança IA generativa com novos recursos para desenvolvedores

Até mesmo as medidas de segurança cibernética mais robustas podem ser inúteis se as organizações não integrarem, manterem e, o mais importante, desativarem hardware e dispositivos com segurança para evitar um vazamento de dados ou violação. Além disso, em um mundo cada vez mais consciente das preocupações climáticas, a implementação de um processo ALM seguro pode ajudar as organizações a pensar de forma mais sustentável e a mitigar o impacto ambiental de sua infraestrutura de tecnologia.

Benefícios da computação de borda

A computação de borda permite que as organizações acessem grandes quantidades de dados rastreados por uma ampla variedade de dispositivos conectados, revelando oportunidades e aumentando a eficiência operacional. Os modelos de computação de borda mais eficazes ajudam as organizações a acelerar o desempenho coletando, armazenando e analisando dados localmente. Como os dados não precisam ir tão longe, o uso da computação de borda pode reduzir o congestionamento da rede, reduzir os custos de trânsito, melhorar a latência e a confiabilidade e, o mais importante, aprimorar o controle da empresa sobre os dados e seus aplicativos.

Veículos autônomos surgiram como um forte exemplo de caso de uso para computação de borda, pois exigem uma quantidade considerável de dados em tempo real para operar. Isso seria problemático com a computação em nuvem, pois mesmo uma latência menor ou um problema de rede poderia ter consequências catastróficas. Pesquisas sugerem que carros autônomos podem produzir até 40 terabytes de dados por hora, o que equivale a dois mil anos de uso de dados de telefones celulares. Consequentemente, os veículos autônomos exigem computação de borda para alimentar o processamento em tempo real para navegação, comunicações entre veículos e integração com outros dispositivos.

Uma nova escala de sustentabilidade

Com a Gartner prevendo que mais de 15 bilhões de novos dispositivos, sensores e outros hardwares de IoT (Internet das Coisas) se conectarão à infraestrutura corporativa até 2029, a computação de borda está mudando fundamentalmente a forma como as organizações devem gerenciar seus ativos físicos de TI.

A construção de ‘micro’ instalações de data center com pegadas menores para suportar a borda da rede significa que milhões de racks de servidores, mainframes, computadores, terminais, switches, roteadores, câmeras de segurança, equipamentos de telecomunicações e sistemas de refrigeração entrarão e sairão do ciclo do equipamento de TI. Embora racks de servidores, equipamentos de refrigeração e tratamento de ar possam durar décadas, muitos outros componentes de TI e peças de infraestrutura de borda são normalmente substituídos a cada 3 a 5 anos.

O descarte frequente desses componentes de infraestrutura desatualizados ou de baixo desempenho pode ter impactos ambientais significativos. A Global E-Waste Statistics Partnership estima que a geração de lixo eletrônico aumentará de 53 megatons (Mt) em 2019 para 74,7 Mt em 2030 e chegará a 110 Mt em 2050, a menos que modifiquemos nossas práticas. Com a escala do problema crescendo exponencialmente, o gerenciamento seguro e consistente de cada momento ao longo do ciclo de vida de um ativo é essencial para garantir que os ativos de TI sejam implementados, utilizados, desativados e, depois, descartados com responsabilidade.

Agora, mais do que nunca, as organizações enfrentam pressão para definir metas ambiciosas de sustentabilidade para descarbonizar e transformar as operações de modo a enfrentar as mudanças climáticas de frente. Uma estrutura ALM é uma parte crítica de um programa de sustentabilidade eficaz, pois as matérias primas e a fabricação de novos hardwares representam mais de 70% das emissões de carbono no setor de TI. Os serviços de disposição de ativos de TI que rastreiam ativos durante todo o processo de disposição podem garantir que os dados sejam destruídos de forma confiável, em conjunto com os regulamentos locais de proteção de dados e, em seguida, reimplantados, reciclados ou comercializados para recuperar uma proporção de seu valor.

Computação distribuída = risco distribuído

Com infraestruturas de TI cada vez mais distribuídas, aumentam os riscos de segurança na forma de ransomware ou ataques de segurança de dados. À medida que mais dispositivos são incorporados à borda das redes, alvos adicionais aparecem para os invasores e a escala do risco de segurança cresce exponencialmente. Sem gerenciamento adequado do ciclo de vida de ativos e medidas de segurança, os riscos da computação de borda podem começar a superar os benefícios para algumas organizações.

Mitigar a exposição de uma organização a riscos e responsabilidades requer governança sobre todos os ativos físicos e digitais, o que a TI distribuída pode tornar um desafio. Vigilância, atualização e manutenção contínuas de todos os ativos são essenciais. As organizações devem manter um registro de ativos que registre individualmente todas as novas peças de hardware recebidas, bem como monitore o desempenho e a segurança do equipamento.

Uma importante instituição de serviços financeiros aprendeu da maneira mais difícil a importância dessas práticas quando foi multada por não proteger as informações pessoais de milhões de clientes. Sem uma estrutura de ALM estabelecida, a empresa falhou em criptografar ou desativar adequadamente os dispositivos com informações confidenciais. Além disso, a empresa perdeu o controle de dezenas de ativos que continham informações pessoais. Embora eles tivessem que pagar uma multa substancial, ela foi superada em muito pela perda potencial de receita e pelo impacto em sua reputação e na confiança do cliente.

Isso significa que, nesse cenário de forças de trabalho e dispositivos distribuídos, ter um processo de desativação eficiente e sem riscos dentro de uma estrutura ALM é essencial para mitigar os impactos ambientais e os riscos de segurança do gerenciamento e descarte de TI. Em todas as etapas do ciclo de vida de um produto, o ALM ajuda a agilizar e operacionalizar o gerenciamento de dispositivos, permitindo maior flexibilidade no desenvolvimento, agilidade na implementação e segurança no descomissionamento.

* Orlando Souza é vice-presidente e general manager da Iron Mountain no Brasil

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.