Como as novas gerações se preparam para um futuro tecnológico?

Integrar habilidades tecnológicas desde cedo pode moldar um futuro promissor para as nossas crianças em um mundo acelerado e digital

Author Photo
10:00 am - 15 de março de 2024
estudante, aluno, inclusão digital, futuro Foto: Shutterstock

No cenário contemporâneo, marcado por uma transformação digital extremamente rápida, é essencial repensar a maneira pela qual as crianças se preparam para o futuro. Nós, enquanto educadores, temos o compromisso de não apenas observar essa realidade em constante evolução, mas também de tentar moldá-la de maneira a preparar os alunos para os desafios que os aguardam. Nesse sentido, o desenvolvimento de skills tecnológicas desde a infância emerge como uma necessidade premente, além de caracterizar-se como uma grande oportunidade.

A percepção de que as gerações mais atuais devem cultivar essas qualificações desde os estágios iniciais da vida educacional se concretiza por meio de estudos recentes: uma pesquisa conduzida pela Universidade de Stanford destacou os benefícios do aprendizado de programação para o desenvolvimento cognitivo das crianças, evidenciando como a exposição precoce a conceitos de Ciência da Computação pode estimular habilidades de resolução de problemas e criatividade, duas das soft skills mais bem valorizadas pelo mercado de trabalho atualmente, segundo a Skills Outlook Employee View, realizada pela Pearson em 2023. Destaco ainda um segundo estudo, realizado pela Universidade de Harvard, que observou que crianças participantes de programas de aprendizado de programação demonstraram maior capacidade de raciocínio lógico e habilidades matemáticas, além de uma melhoria significativa na compreensão de conceitos abstratos.

Vale ressaltar que o objetivo de desenvolver tais aptidões não é formar especialistas em tecnologia desde a infância, mas construir uma base sólida de conhecimento e capacitações que as permitam compreender, utilizar e adaptar-se às ferramentas digitais de forma autônoma e criativa. Isso implica em integrar os saberes tecnológicos de maneira orgânica ao currículo escolar, proporcionando experiências práticas e contextualizadas que estimulem a curiosidade e o pensamento crítico – o que até já existe, porém, de maneira desigual.

Leia também: Tendências 2024: o que mais esperar do futuro da educação?

Um bom exemplo dessas práticas é o programa “Kids Can Code” desenvolvido em algumas escolas ao redor do mundo. Ele introduz conceitos de programação por meio de jogos e atividades lúdicas, tornando o aprendizado acessível e divertido para crianças de todas as idades. Os resultados têm sido notáveis, com alunos demonstrando skills de resolução de problemas, trabalho em equipe e criatividade muito além do esperado para sua faixa etária. O jogo  BBC, utiliza abordagens interativas e práticas para incorporar conceitos de ciência da computação, programação e robótica para crianças em idade escolar. Ele foi projetado de forma a ser inclusivo e acessível a todos, independentemente de seu histórico ou habilidades prévias em tecnologia e sem a necessidade de um computador – o jogo de cartas permite que as crianças joguem de maneira sociável e que o levem para diferentes lugares. Doado a escolas locais e recomendado no guia Teach Computer Science e ACARA, os resultados do game, segundo os educadores, demonstram um aumento significativo na confiança em lidar com tecnologia. Além disso, eles relataram uma mudança positiva no engajamento e interesse dos alunos em relação à temas relacionados a ciência da computação.

Devemos nos atentar às disparidades socioeconômicas que podem influenciar o acesso das crianças a oportunidades de aprendizado tecnológico, além de cobrar políticas públicas e iniciativas educacionais que ajudem a solucionar esse problema, promovendo a inclusão digital desde cedo, investindo ainda na formação e capacitação de professores. Isso pode ser feito por meio de programas de desenvolvimento profissional e parcerias com instituições de ensino superior e empresas de tecnologia, que podem oferecer recursos e suporte técnico. É fundamental garantir que todas as crianças, independentemente de sua origem ou contexto, tenham acesso igualitário a recursos e programas educacionais que promovam o desenvolvimento de competências tech e que todos os profissionais envolvidos nesse processo estejam aptos para lidar com as novas ferramentas.

À medida que preparamos as novas gerações para um mundo cada vez mais digital, é imperativo reconhecer que a educação tecnológica não se limita a ensinar o uso de ferramentas específicas. Sua missão principal é capacitar os alunos a pensarem criticamente, resolver problemas complexos e adaptar-se a um ambiente em constante mudança. Ao integrar instrumentos tecnológicos desde a infância, estamos investindo no futuro não apenas das crianças, mas da sociedade como um todo.

Siga o IT Forum no LinkedIn e fique por dentro de todas as notícias!

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.