3 tendências de tecnologia definidas para revolucionar o varejo

Líderes de TI no setor de varejo devem se alinhar às últimas tendências tecnológicas para gerar maior receita e valor ao cliente

Author Photo
9:00 am - 26 de julho de 2023
e-commerce, comprar online, varejo, compras Imagem: Shutterstock

Poucas verticais passaram por uma mudança tão grande quanto o varejo nos últimos dois anos. Impulsionadas pela concorrência acirrada e mudanças significativas nas expectativas dos clientes, as empresas de varejo estão se esforçando para se alinhar com o cenário em mudança, com a TI desempenhando um papel crucial em sua capacidade de alcançar isso.

Para oferecer aos clientes uma experiência de compra acessível, contínua e envolvente, os líderes de TI de varejo devem elaborar estratégias focadas na receita que aproveitem a tecnologia de ponta para atender às necessidades atuais e futuras dos negócios.

Aqui estão três tendências de tecnologia que os líderes de TI no setor de varejo devem adotar para criar valor para suas organizações e seus clientes.

Varejo sem atrito

Hoje em dia, a experiência do cliente é rei. Para garantir uma experiência de compra mais rica e tranquila, os líderes de TI de varejo devem reduzir qualquer atrito que possa impedir uma transação tranquila. Isso significa fornecer um contato inicial perfeito on-line ou na loja, removendo qualquer problema relacionado à adição de produtos a um carrinho virtual ou físico e tornando os processos de checkout e pagamento intuitivos e fáceis de concluir.

Para atender a essa necessidade, os principais CIOs do varejo estão implementando soluções inovadoras de tecnologia sem atritos que proporcionam uma experiência de “pegar e sair” sem filas. Essas soluções utilizam os avanços mais recentes em IoT e tecnologias de balanças e câmeras para minimizar ou até mesmo eliminar o atrito, pois conseguem rastrear com precisão os itens que os clientes colocam em suas cestas e cobrá-los quando saem da loja.

Leia mais: 7 truques de consultores de TI que CIOs nunca devem cair

Marcas como Sam’s Club, 7-Eleven, Amazon, Wheelys 247 e Albertsons já estão oferecendo experiência de compra sem checkout para os clientes.

De acordo com o estudo Mobile Self-Scanning and Checkout-Free 2022, da RBR London, houve um aumento de três vezes no número de lojas que utilizam a tecnologia sem check-out em todo o mundo. De 250 dessas lojas em 2021, o estudo prevê que o número chegue a 12.000 até 2027.

Com um aumento nas compras on-line, também houve um aumento no roubo de identidade e fraude de pagamento. Ao implantar soluções de prevenção contra fraudes, os varejistas podem evitar estornos. Isso ajuda a aumentar a confiança do cliente e melhora ainda mais o varejo sem atrito. Os resultados de uma jornada do cliente rápida, eficiente, sem atritos e coesa são o aumento do número de visitantes e maiores ganhos financeiros.

Varejo algorítmico

Com as preferências dos clientes em rápida mudança e o aumento da concorrência, os varejistas estão recorrendo cada vez mais à IA para ajudá-los a resolver problemas complexos e tomar decisões mais rápidas. De grandes marcas de moda a lojas de produtos básicos e mercearias, todo varejista busca aplicar algoritmos para melhorar os resultados, especialmente nas áreas de varejo omnichannel, previsão de demanda e análise preditiva.

Ao aplicar algoritmos para prever melhor as flutuações e demandas do mercado, os varejistas estão mais bem posicionados para resolver um dos maiores desafios do varejo — o gerenciamento de estoque — ao estocar os produtos certos, dependendo da situação do mercado.

Por exemplo, a solução de IA do Walmart, Eden, utiliza o machine learning para otimizar os níveis de estoque e prever a demanda em suas lojas. Isso ajudou a empresa a reduzir os episódios de falta de estoque em até 30%, reduzindo o desperdício e o excesso de estoque.

Veja também: O que a tecnologia legada ensina aos líderes de TI sobre projetos duradouros

Ao colocar algoritmos para trabalhar em big data coletados de diversas fontes, os varejistas podem prever de forma inteligente o que os clientes comprarão e em que ordem. As mercearias, por exemplo, podem planejar seus estoques com base nas condições climáticas, nos padrões de compra dos clientes e na geolocalização. E ao compreender melhor os hábitos de compra dos clientes por meio de análise algorítmica, eles podem otimizar o layout das lojas para uma melhor navegação e aumento nas vendas, por exemplo, posicionando vegetais frescos na frente, seguidos por produtos de padaria e, por fim, cervejas.

Varejistas on-line como Alibaba e Amazon são bem conhecidos por explorar o varejo algorítmico para fornecer aos seus clientes recomendações em tempo real, com base em sua atividade de navegação. Eles também enviam e-mails, anúncios e textos relevantes. Muitos varejistas também estão seguindo o exemplo.

Varejo imersivo

Os clientes de hoje querem uma compreensão completa de um produto antes de comprá-lo. A compra imersiva atende a essas necessidades criando experiências interativas para os clientes, aumentando assim suas chances de efetuar a compra. Além disso, investir mais tempo com um produto aumenta sua familiaridade com a sua marca.

Como resultado, os principais CIOs do varejo estão utilizando tecnologias como realidade virtual, realidade aumentada e machine learning para oferecer visualizações 3D, showrooms virtuais e espelhos de realidade aumentada para uma experiência de compra mais enriquecedora e satisfatória.

Leia também: Tornando a automação inteligente escalável

As visualizações 3D realistas fornecem uma boa ideia de como um produto ficaria quando visto de diferentes ângulos. Isso ajuda a superar o medo dos clientes de que o produto real pareça diferente de como aparece no site.

Empresas imobiliárias e automobilísticas estão fazendo uso de showrooms virtuais, que permitem aos clientes visualizar apartamentos e automóveis, respectivamente, no conforto de suas casas.

Lojas de varejo que oferecem produtos vestíveis como relógios, roupas, joias ou maquiagem estão usando espelhos de realidade aumentada, pois um grande número de clientes deseja experimentar esses produtos antes de comprar on-line.

À medida que os clientes buscam maneiras mais envolventes de fazer compras, os ambientes digitais, experimentais e imersivos se tornarão imperativos para os varejistas adotarem.

Siga o IT Forum no LinkedIn e fique por dentro de todas as notícias!

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.