‘Para muitos homens, tecnologia é apenas um trabalho bem remunerado’

Rebecca Parsons, CTO da Thoughtworks, fala sobre a riqueza da diversidade para a inovação e a dificuldades das mulheres no setor

Author Photo
12:11 pm - 23 de setembro de 2022
Rebecca Parsons, CTO da Thoughtworks Rebecca Parsons, CTO da Thoughtworks. Foto: Divulgação

Diferentes olhares e pontos de vista técnicos e culturais são uma das chaves para a inovação. Ao menos essa é a opinião de Rebecca Parsons, CTO da Thoughtworks. A executiva, que tem mais de 30 anos de experiência em tecnologia, viu o mercado crescer e se tornar mais inclusivo.

Apesar disso, as mulheres ainda têm dificuldades para calcar posições de liderança em tecnologia. Falta de interesse das meninas podem ser – inclusive – responsabilidade de escolas e famílias na infância e adolescência.

“As escolas precisam mostrar que está tudo bem ser uma garota e estar interessada em matemática. Estava tudo bem para mim ser estranha, mas não deveria ser estranho ser uma garota que gosta de matemática.”

Leia também: Falta de representatividade feminina na TI barra mais mulheres no setor

Confira o bate-papo completo com Rebecca!

IT Forum: Eu gostaria de começar perguntando sobre a importância da diversidade e inclusão para a inovação.

Rebecca Parsons: Existe um livro chamado “The Difference” [A diferença, em português] que demonstra porque equipes diversas são mais eficazes na solução de problemas gerais. E quando penso em inovação, penso da seguinte forma: se há esse problema e você apresenta uma sugestão com base em seu histórico e sua perspectiva sobre o problema, eu escuto e o ajusto para o meu passado e outras pessoas aparecem e cocriamos soluções.

É possível reunir diferentes perspectivas, tanto intelectuais quanto culturais. Mas o ponto é: você e eu vamos olhar para os problemas de maneiras diferentes porque fomos criados de maneiras diferentes. Somos formados em diferentes disciplinas. Se você tem um grupo de pessoas, não me importa quão inteligentes sejam, mas todos foram treinados e criados da mesma forma, todos eles veem o mundo da mesma maneira, todos vão pensar na mesma solução do problema.

IT Forum: Em geral, as lideranças são homens brancos. Mas isso está mudando aos poucos. Como você vê esse novo cenário?

Rebecca Parsons: As empresas estão definitivamente fazendo todos os barulhos certos. No entanto, quando penso em uma empresa como Google, Microsoft ou Facebook, eles têm uma quantidade incrível de dinheiro disponível através deles. Eles têm uma quantidade incrível de talento disponível para eles.

Eu realmente luto para entender por que eles dizem que têm problema com a diversidade. E acho que parte disso se resume ao fato de que nós, como indústria de tecnologia, não queremos aceitar a chegada do diferente.

Fico muito frustrada quando as pessoas se concentram no pipeline: “nós temos que garantir que as meninas de oito anos estejam empolgadas com a tecnologia”. E sim, eu adoraria ter, você sabe, todas as meninas de oito anos que querem desmontar e montar as coisas, capazes de estar no mercado no futuro.

Mas o fato é que as mulheres têm taxa de saída do mercado quase o dobro maior do que homens. Então, se não abordarmos o problema da retenção, se não abordarmos o problema de um pequeno avanço das mulheres que se sentem valorizadas por suas contribuições, não importa quantas delas entrem no pipeline porque elas vão cair.

Isso significa que para uma mulher ficar na tecnologia, ela tem que ser apaixonada. Significa que eu estou nisso em parte porque eu simplesmente não consigo imaginar fazendo outra coisa. Se alguém me dissesse que eu não poderia estar em tecnologia, e eles tentaram, não resolveria.

Mas para muitos homens, ser da área de tecnologia é apenas um trabalho bem remunerado, eles não são apaixonados por isso. E claro, ele vai ficar em um bom emprego. Para uma mulher, se ela puder encontrar um emprego mais bem remunerado em outra profissão e não ter que aturar essas coisas, pode ser uma escolha.

Estudos mostram que o que está levando as mulheres a deixarem o campo é o fato delas não se sentirem apreciadas, elas não sentem que são ouvidas, elas não sentem que são pagas de forma justa e não sentem que têm oportunidades de progresso.

Então não é isso porque culturalmente talvez haja expectativas sobre elas que não são sobre os homens. É que eles não sentem que estão sendo pagos de forma justa e não sentem que têm chance de fazer um trabalho interessante e não são reconhecidos por suas ideias e essas são todas as coisas que podemos consertar. Com relativa facilidade, as empresas podem corrigir isso sobre si mesmas.

IT Forum: E por outro lado, temos todos esses talentos sendo desperdiçados e um gap de profissionais em todo o mundo. Essa é uma oportunidade para as companhias?

Rebecca Parsons: Sim. E se vamos resolver o problema de hoje, não é a menina de oito anos que ajudará com o problema de agora. Então, o que vai nos ajudar? O problema de hoje é acessar comunidades que nunca tiveram acesso a empregos em tecnologia e/ou foram negligenciadas.

Muitos dos indivíduos interessados ​​em uma carreira em tecnologia não tiveram acesso a treinamentos, não sabem falar inglês. E falar inglês, hoje, é uma habilidade muito ligada à classe em muitos países. E, portanto, pessoas de comunidades carentes são menos propensas a serem fluentes em inglês.

IT Forum: Falando sobre as meninas de oito anos… Eu me lembro quando eu estava na escola, para as meninas eram sempre aulas de artes ou idiomas. Mas, os meninos poderiam gostar de matemática ou física. Faz parte da cultura ter mais mulheres interessadas em tecnologia?

Rebecca Parsons: Sim, e acho que tem muito a ver com a família, com a pressão dos colegas e com a escola. Eu sempre amei matemática e eu meio que decidi, quando eu tinha cinco ou seis anos, que eu seria estranha porque ninguém ao meu redor gostava de matemática e eu adorava matemática.

Tem um estudo que saiu há vários anos do Reino Unido que mostrou que, aos 13 anos de idade, você saia da mesma porcentagem de meninos e meninas interessados em matemática, ciências, tecnologia e computação para um nível menor do interesse das garotas.

As escolas precisam mostrar que está tudo bem ser uma garota e estar interessada em matemática. Estava tudo bem para mim ser estranha, mas não deveria ser estranho ser uma garota que gosta de matemática.

IT Forum: Você tem mais de 30 anos de experiência em tecnologia. Você vê algum progresso nessas três décadas?

Rebecca Parsons: Eu vejo muito progresso! É claro que varia regionalmente, mas na maior parte de lugares como América do Norte e Europa, um professor universitário não deveria dizer que mulheres são incapazes de entender matemática e ciência da computação. E, no entanto, isso aconteceu comigo quando eu estava na universidade.

Entre 2008 e 2009, eu estava em uma mesa redonda e uma mulher disse que precisaria mudar de orientador ou desistir da pós-graduação pois ele havia dito que a mulher estava tomando o lugar de um homem e ela deveria ir para casa fazer bebês. E isso foi no século 21.

Uma das coisas que realmente importa é que temos um número cada vez maior de aliados do sexo masculino. Então não sou só eu dizendo que as mulheres merecem um lugar na tecnologia. Mas você tem líderes de tecnologia em diferentes níveis dizendo a mesma coisa. E acho que isso faz uma grande diferença.

IT Forum: Olhando para todo o cenário de diversidade, as empresas de tecnologia podem olhar para dentro e tentar ajudar a sociedade?

Rebecca Parsons: Sem dúvidas. Como pessoas de tecnologia, temos a perspectiva de que queremos resolver problemas. Queremos tornar a vida das pessoas melhor. Portanto, o que muitas vezes nos falta é uma compreensão real de como é a vida para as pessoas para podermos ajudá-las.

Por isso, é necessário o foco real na experiência do usuário e na tentativa de entender as pessoas que realmente serão impactadas diretamente por uma tecnologia. Porque se você não fizer isso, se você não levar essa perspectiva em consideração, você não vai construir a coisa certa.

IT Forum: Isso me leva a uma nova pergunta: qual a importância dos dados e da Inteligência Artificial para entender melhor seu público?

Rebecca Parsons: Os dados são definitivamente importantes, mas os dados sem contexto não são. E é por isso que acho que à medida que começamos a usar mais os dados para informar a tomada de decisões, temos que pensar muito mais holisticamente sobre qual é o sistema que gera esses dados? De onde vieram esses dados? Qual foi a motivação da pessoa?

Se for uma pesquisa, como essas coisas seriam realmente formuladas? Porque todos nós sabemos que, dependendo da pergunta que você faz, você pode obter diferentes tipos de respostas.

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.