Mozilla: Apple, Google e Microsoft prendem você aos seus navegadores

Mozilla afirma que fabricantes de sistemas operacionais dificultam a mudança para navegadores alternativos

Author Photo
10:25 am - 29 de setembro de 2022
firefox

Apple, Google, Microsoft e outros basicamente prenderam usuários aos seus navegadores por meio de configurações padrão em suas plataformas de sistema operacional, dando aos fabricantes de plataformas uma vantagem injusta sobre os concorrentes, de acordo com um novo relatório da Mozilla, fabricante do Firefox.

Os pesquisadores da Mozilla descobriram que cada fabricante de plataforma “quer manter as pessoas dentro de seu jardim murado”, direcionando usuários de dispositivos móveis e desktops para o Apple Safari, Google Chrome ou Microsoft Edge. “Todas as cinco principais plataformas atuais (Google, Apple, Meta, Amazon, Microsoft) agrupam seus respectivos navegadores com seus sistemas operacionais e os definem como o padrão do sistema operacional na tela inicial principal ou na posição do dock”, escreveu a Mozilla em um relatório de 66 páginas.

A Mozilla afirma que, embora muitas pessoas relatem saber como instalar um navegador, em teoria, “muitas pessoas nunca instalam um navegador alternativo na prática”.

Os usuários de navegadores também temem que a mudança faça com que percam anos de dados, como senhas, favoritos e histórico, e como os desenvolvedores do sistema operacional não ajudam a facilitar a portabilidade desses dados, a alternância é dificultada. “Isso amplia o poder do sistema operacional, que pode optar por sufocar a concorrência (não fazendo nada ou até inibindo a comutação) ou ajudar os consumidores (tornando a portabilidade de dados mais fácil)”, argumentou Mozilla.

Forçar os usuários a um navegador pré-selecionado também sufoca a inovação, disse a Mozilla. “A falta de diversidade de navegadores deixa as pessoas expostas quando se trata de segurança e privacidade aprimoradas. Os navegadores são alimentados por um ‘motor de navegador’, que afeta significativamente a capacidade de um navegador”, disse a Mozilla.

A Apple, observou a Mozilla, exige que todos os desenvolvedores que implantam navegadores iOS usem o próprio mecanismo Safari WebKit da Apple. Quando surgem problemas de segurança no WebKit, todos os usuários do navegador iOS ficam igualmente vulneráveis até que a Apple encontre, corrija e publique patches. “Esta é apenas uma razão pela qual uma variedade de navegadores, usando diferentes mecanismos de navegação, é desejável”, disse a Mozilla.

Sem dúvida, o Firefox se sente deixado para trás. Em 2009, o uso do Firefox atingiu o pico de 32%, ultrapassando o Internet Explorer da Microsoft (IE 7), na época. Junto com uma longa lista de complementos disponíveis, o Firefox foi elogiado por sua velocidade e medidas de segurança em comparação com o IE. Logo após o lançamento multiplataforma do Google Chrome em 2010, no entanto, o Firefox começou a perder terreno.

Jack Gold, Analista Principal da empresa de pesquisa J. Gold Associates, disse que as versões anteriores dos navegadores da Microsoft, como o Internet Explorer, ofereciam uma experiência ruim ao usuário, eram lentas e muitas vezes não exibiam todas as páginas da web corretamente, a menos que fossem formalmente suportadas por IE. Isso levou muitos usuários a mudar para o Chrome, Firefox e outros.

“Mas esses dias acabaram, já que a maioria dos usuários não reclamaria da experiência de navegação que eles obtêm hoje em navegadores instalados”, disse Gold por e-mail. “Eu realmente não vejo um mercado atraente para navegadores de terceiros para a grande maioria dos usuários. Esse é o verdadeiro desafio enfrentado pelo Firefox, e outros. E os líderes (Apple, Google, MSFT) sempre apontarão as supostas vantagens sobre a concorrência”.

Hoje, o fato de Apple, Google, Mozilla e Samsung serem os únicos grandes fabricantes de mecanismos de navegador restantes deve ser uma pista óbvia para o fato de que os usuários simplesmente não têm outras opções inatas, disse a Mozilla.

Google responde

Um porta-voz do Google respondeu ao relatório da Mozilla, dizendo que, independentemente da plataforma, as pessoas escolhem o Chrome porque é rápido, seguro e oferece a melhor experiência.

“Também facilitamos para as pessoas trocarem de navegadores padrão e terem opções significativas de navegador, ao contrário da Microsoft, que coloca barreiras para mudar para diferentes navegadores, ou da Apple, que exige que os navegadores usem o mecanismo WebKit, limitando a escolha do usuário”, disse o porta-voz em uma resposta por e-mail à Computerworld.

“E disponibilizamos o código subjacente do Chrome para todos gratuitamente; na verdade, agora é usado para alimentar navegadores concorrentes, incluindo Microsoft Edge, Brave, Samsung Internet e Arc”, continuou o porta-voz. “A maioria dos dispositivos Android vem com mais de um navegador, e os navegadores podem usar o mecanismo do navegador de sua escolha”.

A Microsoft se recusou a comentar; A Apple não respondeu a um pedido de comentário.

O Google apontou que cerca de 66% dos usuários do Windows e 26% dos usuários de Mac escolhem o Chrome como navegador, mesmo que não venha pré-instalado nesses sistemas operacionais.

A empresa também criticou o Windows 10 e 11 por tornar mais desafiador para os usuários alternarem ou utilizarem navegadores padrão fora do Edge, uma afirmação que já foi relatada anteriormente. O Windows, segundo ele, também usa URLs de aplicativos que exigem que os usuários abram links de e-mail ou aplicativos no Edge, mesmo quando um usuário definiu um padrão de navegador diferente.

Em todo o mundo hoje, o Chrome detém uma liderança dominante sobre todos os outros navegadores no mercado móvel e desktop, de acordo com a Statista. Em celulares, o Chrome detém 62% de participação de mercado. O Safari, da Apple, vem em segundo lugar com 26%. O Firefox reivindica menos de meio por cento de participação de mercado.

Nos desktops, o Firefox se sai um pouco melhor, com 7,7% de participação de mercado. Mas o Chrome também reivindica uma liderança sólida, com 67% de participação de mercado. O Edge é o segundo com 11%, seguido pelo Safari com 8,5%, segundo a Statista.

Agência de concorrência do Reino Unido vê ‘duopólio’

Em junho, a Autoridade de Concorrência e Mercado (CMA) do Reino Unido disse que o Google e a Apple têm um “duopólio efetivo” nos ecossistemas móveis que lhes dão um domínio sobre sistemas operacionais, lojas de aplicativos e navegadores da web em dispositivos móveis.

A CMA disse que 97% de toda a navegação na web móvel no Reino Unido em 2021 aconteceu em navegadores equipados com o mecanismo de navegador da Apple ou do Google. “A Apple proíbe alternativas ao seu próprio mecanismo de navegador em seus dispositivos móveis; uma restrição exclusiva da Apple”, disse o CMA.

Os dispositivos móveis também costumam ter o Chrome, do Google, ou o Safari, da Apple, pré-instalados e definidos como padrão na compra, dando a eles uma vantagem importante sobre os rivais, de acordo com o relatório. “A Apple e o Google têm posições fortes na navegação na web móvel, com uma participação combinada de oferta de cerca de 90% para seus navegadores”, disse o relatório da CMA.

Citando pesquisas da Comissão Europeia em seu relatório, a Mozilla disse que táticas específicas de design de sistemas operacionais por fabricantes de plataformas removem essencialmente a capacidade do consumidor de escolher qualquer outro navegador. Por exemplo, em meados de 2022, o Windows 11 apresentou aos usuários que instalavam o sistema operacional uma mensagem destacada em azul que dizia: “Use as configurações de navegador recomendadas pela Microsoft”. A opção é pré-selecionada, enquanto a alternativa “Não atualize as configurações do navegador” é acompanhada por um ícone confuso, disse a Mozilla.

O uso das palavras “configurações” e “atualização” implicam que o usuário pode ser prejudicado se selecionar essa opção porque, por exemplo, pode não estar executando a versão mais recente, afirmou a Mozilla.

“Acreditamos que, se as pessoas tivessem uma oportunidade significativa de experimentar navegadores alternativos, achariam muitos substitutos atraentes para o padrão fornecido com seu sistema operacional”, disse o relatório da Mozilla. “As plataformas podem e devem fazer melhor para consumidores e desenvolvedores”.

Google cita seus padrões abertos

O Google observou que seu investimento em um mecanismo de navegador de código aberto e em padrões abertos da web tornou a web mais interoperável e melhor para os desenvolvedores. Seus padrões abertos, disse, também beneficiaram os desenvolvedores que podem criar novos navegadores que se diferenciam nos recursos do consumidor sem se preocupar que os sites não funcionem corretamente em diferentes dispositivos ou em diferentes navegadores.

Quanto à Apple e ao WebKit, o Google ficou do lado da Mozilla, dizendo que as alegações da Apple de que os desenvolvedores usam o WebKit para sua segurança foram refutadas pelo CMA. E o Webkit provou ser mais lento para corrigir bugs do que os outros principais mecanismos de navegador, de acordo com o Google.

O resultado final, disse Gold, é que os navegadores que são fornecidos como padrão nos sistemas têm uma vantagem no mercado, especialmente porque muitos usuários não se importam ou nem sabem como mudar.

“Isso é uma prática monopolista? Muitos pensam assim, e a Microsoft e a Apple foram multadas, pois o Google agora também está sendo multado, especialmente na UE”, disse Gold. “E enquanto o Google pode dizer que seu navegador é mais rápido, para a maioria dos usuários eles provavelmente não notariam tanta diferença. É um pouco como dizer que o [chip] Apple M1 é mais rápido que os chips Intel Core – isso só importa nos extremos da computação”.

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.