Materiais para Download
Descubra a Rede IT Mídia
Conheça os Fóruns

O que você não sabe (e precisa saber) sobre cloud computing

Como aproveitar o melhor desse ambiente que ainda deixa dúvidas na cabeça de vários líderes de negócios

Por  Edilson Pimentel*

10:37 - 19 de novembro de 2020
Compartilhar
Foto: Adobe Stock

Há tempos, a computação vinha ajudando organizações de diferentes portes a ingressar na transformação digital com redução de custos operacionais e aumento da produtividade. Com a recomendação de distanciamento social imposta pela Covid-19, as funções profissionais elegíveis ao home office passaram a ser exercidas de maneira distribuída, o que resultou na migração de mais companhias para o ambiente de nuvem, o chamado cloud computing. De acordo com dados do Gartner, estima-se que até o final de 2020 o mercado mundial de serviços em nuvem pública cresça 6,3%, se comparado com o ano passado.

Ainda que seja um serviço em franca expansão, cloud computing gera uma série de dúvidas nos líderes de negócio. Por isso decidi compartilhar com vocês algumas informações que podem te ajudar a aproveitar o melhor desse ambiente.

Veja também: Cinco mandamentos para não errar na Black Friday

1. Existem três tipos distintos de nuvem

No mercado existem três tipos de nuvem. Todas são importantes e úteis, porém cada uma atende a necessidades específicas do negócio. Por isso, é importante fazer a escolha com cautela, de preferência com o auxílio de especialistas. Na nuvem privada, existe um alto custo inicial com aquisição ou locação de uma infraestrutura para uso exclusivo de um espaço, mas esse investimento se justifica quando há o desejo de personalizar o ambiente ou a necessidade de armazenar dados estratégicos e que demandam tempo de resposta rápido. Na nuvem pública, a hospedagem da aplicação ou do serviço é mais padronizado pois acontece em um ambiente que atende diversas empresas simultaneamente, mas com as devidas camadas de proteção para que uma organização não tenha acesso aos dados da outra. Há também a nuvem híbrida, que como o próprio nome sugere é uma mescla entre o serviço da nuvem privada e pública.

2. A nuvem agrega valor (e não apenas custo) ao seu negócio

Toda empresa que decide migrar seu ambiente para a nuvem precisa estar preparada para absorver os custos de implementação e manutenção do ambiente. Como eu disse no tópico anterior, a nuvem privada exige um investimento maior de aquisição ou aluguel que se justifica. Porém, em todos os tipos existe a possibilidade de pagar somente pelo espaço que se usa, com a flexibilidade de aumentar ou reduzir essa disponibilidade de acordo com necessidades pontuais do negócio que exija infraestrutura mais enxuta ou robusta.

3. Há segurança em cloud computing

Os cibercriminosos estão cada vez profissionalizados. Todos os dias, por meio de novas ou antigas ameaças, encontram maneiras de invadir sistemas e roubar informações. Mas os provedores da nuvem estão atentos a segurança, com diversas alternativas para manter os seus dados protegidos. Nesse contexto, prefira contratar serviços de provedores que operem com firewalls e recursos de segurança recentes e em constante atualização, além dos serviços de criptografia e de monitoramento ininterrupto, entre outras precauções. O serviço será ainda mais completo se contar com sistema de recuperação de desastres.

4. Com especialistas, é possível navegar em sua complexidade

É claro que cloud computing é um ambiente completo, principalmente quando a organização opta pela nuvem híbrida. Porém a empresa pode ter mais segurança para transitar nesse ambiente quando conta com o auxílio de um parceiro especializado. Somente especialistas são capazes de fazer a migração de dados e o gerenciamento dos recursos de maneira simples. O apoio de especialistas é fundamental, inclusive, para esclarecer dúvidas e apoiar a empresa durante toda a jornada da empresa na transformação digital.

5. Nuvem é um ambiente para todas as empresas

Uma das vantagens da nuvem é a sua flexibilidade. Isso quer dizer que, se o seu negócio é de pequeno ou médio porte, você adquire software e aplicativos de acordo com a sua demanda atual. Caso os negócios prosperem – e, eu desejo que isso aconteça – existe a possibilidade de aumentar a sua lista de recursos em cloud computing. A mesma flexibilidade é aplicada quando, por estratégia, desejo ou necessidade, a organização queira reduzir os itens previstos em contrato.

6. Planejamento é a palavra de ordem

Como qualquer outra tecnologia, a nuvem precisa de planejamento. É preciso que a ação de migrar para o ambiente de cloud computing esteja alinhada aos objetivos da organização. Nesse processo, o líder de negócio ou de TI deve ter em mente os objetivos a serem atingido e a nuvem a ser adotada, bem como questões relacionadas a orçamento e reduções de lacunas que se espera ter.

Operar em cloud computing é mais possível e acessível do que muitos líderes imaginam. Adotar a cloud pública requer planejamento e gestão, enquanto continuam a evoluir os recursos e aplicações. É preciso definir estratégias de integração, impulsionar a otimização de custos ao longo do tempo, movendo as aplicações certas para cloud. Também é importante revisitar arquitetura de redes e segurança. Para manter os ambientes saudáveis e os custos controlados, é necessário realizar a gestão e o planejamento de forma cíclica, o que é vital para a manutenção dos ambientes migrados.

Se você ainda não ingressou nessa jornada, sugiro que dê um primeiro passo buscando aconselhamento com um especialista da área. No máximo, o que vai acontecer é você detectar que precisa se preparar um pouco mais para fazer essa migração. Mas, uma coisa é certa, fora da nuvem não dá mais para ficar… pelo menos não por muito mais tempo.

 

* Edilson Pimentel é CTO da Nublify

Load more