Vendas de PCs despencam

Venda de PCs, que aumentaram à medida que as empresas voltaram ao trabalho híbrido e remoto durante a pandemia, caíram no terceiro trimestre

Author Photo
9:30 am - 14 de outubro de 2022
pc

As vendas de PCs no terceiro trimestre do ano cairam quase 20% em relação há um ano – a maior queda em décadas e o quarto trimestre consecutivo de declínio ano a ano, de acordo com pesquisa preliminar de duas empresas de análise.

O aumento nas vendas de PCs criado pela pandemia e o tremendo aumento no trabalho híbrido e remoto acabou e não está mais aumentando as vendas de computadores. As compras de PCs para a volta às aulas também mostraram “resultados decepcionantes, apesar das grandes promoções e quedas de preços, devido à falta de necessidade, pois muitos consumidores compraram novos PCs nos últimos dois anos”, de acordo com Mikako Kitagawa, analista-diretor do Gartner.

Do lado dos negócios, convulsões geopolíticas, como a guerra na Ucrânia e incertezas econômicas “levaram a gastos mais seletivos com TI, e os PCs não estavam no topo da lista de prioridades”, acrescentou Kitagawa.

Globalmente, as vendas de PCs caíram 19,5% no terceiro trimestre de 2022 – o maior declínio desde que o Gartner começou a monitorar as vendas em meados da década de 1990. A empresa de pesquisa IDC avaliou a queda ano a ano em 15% e ecoou a opinião do Gartner sobre os problemas que afetam as vendas, de acordo com o Worldwide Tracker da empresa.

“Durante o pico da pandemia, muitos consumidores, escolas e empresas buscaram novos PCs e esse aumento foi amplamente atendido”, disse Jitesh Ubrani, Gerente de Pesquisa da Mobility and Consumer Device Trackers do IDC.

O mercado de PCs dos EUA caiu 17,3% no terceiro trimestre de 2022, o quinto trimestre consecutivo de declínio nas remessas ano a ano. As vendas lentas de laptops derrubaram o mercado geral dos EUA, enquanto as vendas de desktops mostraram um crescimento modesto – impulsionadas pela demanda reprimida entre as empresas e o setor público, de acordo com o Gartner.

“A inflação é a maior preocupação no mercado dos EUA, mas as empresas menores estão mostrando um relativo otimismo em relação às condições macroeconômicas”, disse Kitagawa. “Embora a demanda de laptops entre as grandes empresas tenha diminuído acentuadamente no terceiro trimestre de 2022, as pequenas e médias empresas não apresentaram uma queda tão acentuada”.

As regiões da Europa, Oriente Médio e África (EMEA) foram particularmente atingidas pela queda nas vendas, diminuindo 26,4% ano a ano no terceiro trimestre, equivalente a 17 milhões de unidades – o declínio mais acentuado entre todas as regiões, de acordo com o Gartner. Foi o terceiro trimestre negativo para o mercado de PCs da EMEA após um boom no início da pandemia.

Globalmente, as remessas de PCs totalizaram 74,3 milhões, de acordo com o IDC. (Gartner atrelou as vendas globais de PCs em 67,9 milhões.)

Os três principais fornecedores no mercado mundial de PCs permaneceram inalterados no trimestre, com a Lenovo mantendo o primeiro lugar em remessas com 25,2% de participação de mercado, de acordo com o Gartner. A HP seguiu com 18,7% e a Dell foi a terceira com 17,7% das vendas. Apple, Asus e Acer seguiram com 8,5%, 8,2% e 6,6% das vendas de PCs, segundo o Gartner.

Para a Apple, a situação parecia um pouco melhor. “A demanda do consumidor permaneceu fraca, embora a atividade promocional de empresas como Apple e outros players tenha ajudado a suavizar a queda e reduzir o estoque do canal em algumas semanas”, disse Jitesh Ubrani, Gerente de Pesquisa para Rastreadores de Dispositivos Móveis Mundiais do IDC. “A oferta também reagiu às novas baixas reduzindo os pedidos – com a Apple sendo a única exceção, já que a oferta do terceiro trimestre aumentou para compensar os pedidos perdidos decorrentes dos bloqueios na China durante o segundo trimestre”.

O Windows 11, que recentemente recebeu sua primeira atualização anual desde seu lançamento, em outubro de 2021, também não teve impacto perceptível nas vendas de novos PCs, de acordo com as empresas de pesquisa. Nos últimos dois anos, o mercado foi restrito à oferta, então as pessoas estavam comprando PCs independentemente do sistema operacional, disse o IDC.

“Esses compradores agora podem atualizar facilmente para 11, se ainda não o fizeram”, disse Ubrani.

A adoção do Windows 11 parecia estagnada no início deste ano. O sistema operacional atingiu um “uso geral” de 19,4% em março, um aumento de mais de 10% desde o início de dezembro de 2021, segundo a AdDuple. Em agosto, a adoção do Windows 11 atingiu 23,1% dos dispositivos.

“Menos de 3,5% dos PCs modernos com Windows atualizaram para o Windows 11 nos últimos dois meses. Aproximadamente o mesmo número foi adicionado à versão mais recente do Windows 10”, disse a AdDuplex em seu site.

Além dos volumes de embarque, o IDC disse que está de olho nos preços de venda. A escassez ao longo dos últimos anos levou as remessas de produtos para a extremidade premium da escala, de acordo com Linn Huang, Vice-Presidente de Pesquisa da Prática de Dispositivos e Displays do IDC.

“Isso, juntamente com aumentos de custos de componentes e logística, elevou os ASPs [preços médios de venda] cinco trimestres consecutivos para US$ 910 no 1T22, o maior desde 2004”, disse Huang. “No entanto, com a desaceleração da demanda, promoções em pleno andamento e pedidos sendo cortados, a subida da ASP foi revertida no 2T22. Outro trimestre de declínio do ASP indica um mercado em retração”.

A Lenovo ganhou participação de mercado em comparação com um ano atrás, embora as remessas tenham diminuído ano a ano, observou o Gartner. Embora as remessas gerais da empresa tenham caído em todas as regiões, exceto no Canadá, o mercado de desktops da EMEA registrou crescimento, impulsionado pelo início da produção na primeira fábrica interna da Lenovo na Europa. Essa instalação foi inaugurada na Hungria em junho.

A HP teve um trimestre desafiador, com um declínio acentuado nas remessas globais em geral. Embora tenha registrado crescimento em algumas regiões no mercado de desktops, as remessas gerais de laptops sofreram declínios.

A Dell reduziu sua diferença de participação de mercado em relação à HP, registrando um crescimento ano a ano no mercado de desktops em todas as regiões, exceto na Ásia-Pacífico. No entanto, as remessas de laptops da Dell diminuíram em outros lugares, exceto no Japão.

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.