Segredos obscuros da motivação do desenvolvedor

Desenvolvedores eficazes beneficiam os negócios de maneiras óbvias e sutis, mas liderá-los para o máximo desempenho é notoriamente complicado

Author Photo
4:30 pm - 12 de setembro de 2022
desenvolvedor trabalhando em código Reprodução/Shutter Stock

Os Recursos Humanos há muito entendem que o dinheiro é um motivador inadequado. Sabemos disso porque os trabalhadores não operam simplesmente de acordo com as condições do mercado, privilegiando sempre mais dinheiro acima de tudo. Em vez disso, as pessoas estão procurando algo mais efêmero, que chamaremos de significado.

Os desenvolvedores também estão procurando por significado, a sensação de que seu trabalho tem um propósito, mas eles têm maneiras únicas de encontrá-lo que nem sempre são óbvias. Se você mesmo não é um programador, muito do que pensa sobre a natureza única do trabalho de desenvolvimento pode estar incompleto.

Há, por exemplo, muito mais criatividade envolvida na construção de software do que normalmente se imagina. O programador é guiado e dependente desse aspecto criativo da codificação. Como Dan Moore escreve em seu blog “Cartas para um novo desenvolvedor”: “Mesmo como um novo desenvolvedor, você está constantemente tomando pequenas decisões criativas (nomear uma variável, por exemplo). Isso é parte do que torna o desenvolvimento de software tão gratificante e divertido”.

Equilibrar os impulsos produtivos e criativos é a chave para o sucesso do desenvolvedor a longo prazo, e é o aspecto mais frequentemente negligenciado no cuidado e alimentação dos desenvolvedores.

Os insights a seguir sobre a mentalidade do desenvolvedor, os segredos obscuros do que realmente o motiva (ou desmotiva), ajudarão os líderes de TI a encontrar o equilíbrio entre os impulsos produtivos e criativos que são a chave para o sucesso do desenvolvedor a longo prazo.

Meça as saídas certas

Ninguém gosta de ser tratado como um item de linha no orçamento. X quantidade de pagamento por Y quantidade de saída e se as linhas cruzarem na direção errada, você está fora. Mas é especialmente perigoso olhar para os codificadores dessa maneira porque a saída é muito difícil de quantificar. Se você encarregar um desenvolvedor de criar um widget, o tempo que ele gasta se preocupando em como torná-lo reutilizável pode gerar benefícios imprevisíveis no futuro. O insight repentino que eles têm no chuveiro ao pensar em como os componentes do software se encaixam é possivelmente mais valioso do que aquilo que você pagou para construir.

Para ilustrar isso de outra maneira, a pior maneira possível de pensar sobre desenvolvedores é como datilógrafos: mais palavras equivalem a mais valor. Esse entendimento está completamente errado. A quantidade mínima de código que atende aos requisitos é a melhor. Quanto mais destilada à essência, melhor. Mas ainda pior, essa maneira de pensar alienará os desenvolvedores ao apoiar políticas e tomadas de decisão que são anátema à sua constituição.

Em seu livro clássico Code Complete, Steve McConnell descreve o princípio WIMP (Why Isn’t Mark Programming). Refere-se ao fenômeno de um líder de codificação (um coronel do Exército, no exemplo do livro) se perguntando por que os programadores não parecem estar trabalhando.

Claro, a indústria amadureceu muito desde que o livro de McConnell foi lançado, em 2004, e todos entendem a necessidade da fase cogitante do desenvolvimento de software. Muitas práticas na linha de pensamento de programação ágil incorporam explicitamente design e planejamento no ciclo de vida. Atualmente, a maioria das abordagens se beneficia ao pressionar por ciclos de feedback mais apertados que integram o pensamento ao processo, evitando fluxos no estilo cascata.

Dê espaço para inovação

A execução de um processo forte que ajude seus desenvolvedores a executar é essencial. Mas, além disso, há muito espaço para cultivar a excelência do desenvolvedor. Matt Raible, Defensor do Desenvolvedor da Okta concorda, dizendo: “Acho que a paixão e as oportunidades de aprender são um grande negócio para os desenvolvedores. Ter a capacidade e o espaço para inovar também é incrível”.

Paixão e espaço para inovar. É uma verdade curiosa sobre a inovação que muitas vezes os avanços não vêm de atividades direcionadas e orientadas para objetivos, mas de algo mais parecido com brincadeira ou experimentação livre. Por sua vez, esse espaço para respirar, a capacidade de pensar e trabalhar em direção a algo além da linha de fundo imediata alimenta a paixão. Paixão e inovação existem em um ciclo de feedback positivo, um ciclo que não gira para um propósito externo, mas sim para a coisa em si, a construção e o compartilhamento de um belo software.

Aplicações práticas e até revolucionárias podem ser vistas como o subproduto desse processo mais central. Pode ser difícil percebê-lo de fora, mas os programadores veem os elegantes sistemas de software como algo valioso em si mesmos.

E agora vou me conter imediatamente com esta advertência: toda virtude está em equilíbrio. Os desenvolvedores são propensos a ir longe demais na outra direção, caindo no clássico erro do tecnólogo – construir apenas por construir sem retornar à utilidade da coisa.

Mas provavelmente não preciso dizer isso, porque você está olhando para o orçamento e sua mente está viva com a vida do negócio. Você não precisa ser lembrado do lado dos negócios se você vem desse campo; você precisa ser lembrado de que a maneira como você obtém prazer e gratificação de um negócio em funcionamento saudável, os engenheiros obtêm de um software em funcionamento saudável.

A criatividade é a sua própria motivação

Muitos desenvolvedores (ouso dizer a maioria) são altamente motivados pela recompensa criativa. Isso é parte da razão pela qual a codificação social é tão popular. Os programadores querem compartilhar seu trabalho, sua expressão, com outros que possam ver e apreciar o que vale a pena no código em si, não apenas o produto final, mas o design interno. Da mesma forma, é gratificante ver o que os outros fizeram e se impressionar com a engenhosidade de outra pessoa capturada por meio do código.

Esse sentimento positivo e motivador da codificação é muito semelhante ao da música e da escrita criativa. Em todos os casos, há benefícios a serem obtidos, mas também há algo inerentemente valioso na coisa em si e em compartilhá-la com os outros. Há um lado artístico no empreendimento, você poderia dizer. De fato, os desenvolvedores são tão variados quanto qualquer outra pessoa, mas em geral são parte artistas, parte engenheiros.

“O desenvolvimento é uma espécie de caixa preta para quem está de fora”, diz Ryan Carniato, criador do SolidJS. “É fácil vê-lo como uma máquina de entrada/saída. E porque o alcance do que pode ser levado da conceituação à implementação, é fácil ver isso como ideias e resultados”.

“Nunca senti falta de respeito pela minha própria criatividade, apenas, às vezes, falta de apreciação pelo que é necessário para projetar e construir algo – e, claro, a necessidade de ocasionalmente lembrar às pessoas que criamos software, não resultados, diz Carniato.

A cultura tecnológica percorreu um longo caminho para reconhecer a criatividade do desenvolvedor como essencial. Ainda assim, essa continua sendo a lacuna crítica entre os desenvolvedores e os negócios. Provavelmente por causa do meio do programador – parece tão difícil de ciência e matemática, e ainda assim é tão efêmero – temos que nos lembrar continuamente do lado criativo e humano disso.

O líder que pode ajudar a canalizar esse impulso criativo para os fins do negócio, dando a sensação de trabalhar por uma causa nobre, enquanto nutre o senso de possibilidade que alimenta as almas dos desenvolvedores – esse é o líder que colherá retornos extraordinários dos desenvolvedores.

Newsletter de tecnologia para você

Os melhores conteúdos do IT Forum na sua caixa de entrada.